Guerra na Ucrânia: mãe relata conversa de arrepiar que teve com filho quando ele descobriu que não teria aula

Em entrevista com o jornalista britânico Ian Birrell ao portal Daily Mail, uma outra mãe ainda contou que “não está em pânico”, e que só quer manter os filhos seguros em meio a guerra entre Rússia e Ucrânia

Resumo da Notícia

  • Mãe relata conversa de arrepiar que teve com o filho quando ele descobriu que não teria aula na Ucrânia
  • Em entrevista com o jornalista britânico Ian Birrell ao portal Daily Mail, uma mãe contou que "não está em pânico", e que só quer manter os filhos seguros em meio a guerra entre Rússia e Ucrânia
  • Muitas famílias estão desesperadas para deixar a Ucrânia após os ataques russos

Uma mãe ucraniana conversou com o jornalista britânica Ian Birrell sobre a vida em família no país após os ataques russos. Segundo ela, as crianças tiveram dificuldade de entender o que estava acontecendo e, no dia em que as primeiras bombas russas foram jogadas sobre Kiev, capital da Ucrânia, muitos não sabiam o que estavam acontecendo.

-Publicidade-

Ian Birrell está em Kiev e, de lá, teve a oportunidade de conversar com muitas mãe e família sobre a situação da Ucrânia e o cotidiano da guerra. Entre os entrevistados, a fotógrafa e mãe Kate Baktlitska compartilhou uma conversa emocionante que uma amiga viveu com os filhos.

“A mãe contou que seus filhos perguntaram porque eles não haviam sido acordados para ir à escola. ‘É feriado hoje?’, as crianças disseram. ‘Não, meus amores, a guerra começou’, disse a mãe”.

Habitantes de Kiev deixam a cidade após ataques (Foto: Pierre Crom/Getty Images)

Além deste, outros relatos também foram publicados também no Daily Mail. Natsya é mãe de uma menina de 10 anos, e admitiu que não estava preparada para o pior desde que as tensões entre Rússia e Ucrânia começaram a dar sinais de um conflito armado, já no ano passado.

“Sempre ouvia essas notícias, mas achava que era tudo surreal, como um pesadelo. Não podia acreditar que isso de fato aconteceria”, disse ela. “Espero um dia acordar e ver que tudo voltou ao normal”. Natsya contou que foi acordada pelos barulhos do bombardeio e, desde então, não conseguiu mais dormir.

“Eu ouvi mísseis e também os vi pela janela. Então, peguei minhas coisas, arrumei as coisas do meu filho e saímos. Não estou em pânico, só quero que meu filho esteja seguro. Estou deixando tudo para trás: meu trabalho, meu emprego… Nada disso importa quando meu filho está em perigo”, comentou ela.