Guia por idade para explicar ao seu filho sobre privilégios

As crianças são excelentes observadoras e conseguem perceber quando um colega é diferente. Mas eles precisam da sua ajuda para entender como esses fatores mudam a forma na qual alguém é tratado

Resumo da Notícia

  • As crianças são muito observadoras e notam as diferenças
  • Eles não sabem, porém, como lidar com essas diferenças
  • Cabe aos pais guiá-los nessa missão
  • Veja um guia por idade de como falar sobre privilégios com as crianças

Se você convive com uma criança pequena, provavelmente já percebeu que eles são excelentes observadores e captam até mesmo os aspectos mais minuciosos do ambiente onde estão. Eles percebem quando a cor da pele do colega é diferente da dele, se alguém tem alguma necessidade especial ou se tal pessoa é bem mais alta ou mais baixa do que ele. O que eles precisam de ajuda para entender, no entanto, é como esses fatores podem se transformar em diferenças na forma na qual as pessoas são tratadas.

-Publicidade-
É preciso falar sobre privilégios (Foto: Getty Images)

Privilégio é uma palavra que ouvimos muito ultimamente – nos livros, nos jornais, nas legendas do Instagram. Como você sabe, ela se refere aos meios pelos quais as pessoas recebem vantagens por causa da aparência, onde vivem, quanto dinheiro têm, a religião e muito mais.

Para aqueles com privilégios, eles podem ser quase invisíveis. É exatamente por isso que precisam ser discutidos. Quanto mais cedo você falar sobre os benefícios que esse preconceito – seja homofobia, sexismo, racismo ou qualquer outro – dá a alguns e nega a outros, melhores serão as chances de criar um filho que queira trabalhar para eliminar esses privilégios. Mas, mesmo os pais que se consideram socialmente conscientes podem não saber como abordar esse assunto com as crianças.

-Publicidade-

“Você pode pensar que se os pais não expressarem atitudes negativas, as crianças receberão as mensagens certas, mas as crianças ainda assimilam as atitudes sociais e tiram suas próprias conclusões”, diz Beverly Daniel Tatum, Ph.D., psicóloga e autora de Por que todas as crianças negras estão sentadas juntas na lanchonete?. “Se você quer que seus filhos valorizem a justiça, você deve moldar esse valor por meio do diálogo“, reforça.

Abordar o privilégio é parte integrante da criação de um filho bondoso. “Ajudar as crianças a pensar sobre o que elas têm, faz com que elas pensem sobre o que os outros não têm, e a consciência molda o comportamento pró-social ou agir de uma forma que beneficia os outros, que é basicamente o que é bondade”, diz Ellen Braaten, Ph.D. , codiretor do Clay Center for Young Healthy Minds e professor associado de psicologia na Harvard Medical School.

Estudos também indicam que, se as crianças percebem que estão ganhando uma fatia maior do bolo, elas não apenas tendem a dividi-la, mas também inspiram outras pessoas a fazer o mesmo. “Quando uma pessoa age de maneira pró-social, outras o fazem também”, diz o Dr. Braaten. “Não por pena, mas porque estão preocupados com os direitos e sentimentos de outra pessoa”, ela explica.

Veja como iniciar a conversa sobre privilégios de acordo com a faixa-etária do seu filho:

Para pré-escolares

A conversa pode começar desde pequeno! (Foto: Getty Images)

“Uma criança de 3 anos entende a justiça e a injustiça”, diz o Dr. Tatum. “Você pode dizer: ‘Privilégio significa que você está recebendo mais guloseimas porque tem a pele clara ou porque é um menino’. E às vezes pessoas com privilégios conseguem evitar coisas ruins que acontecem aos outros. Isso está errado”. Para provocar o senso de justiça deles, pergunte ao seu filho como se sentiria se, digamos, você dissesse que eles não poderiam comer sobremesa porque têm covinhas, mas desse sorvete aos irmãos porque não têm.

A principal lição é que se alguém tem privilégios e os outros não têm, é seu trabalho ajudar a nivelar as coisas defendendo pessoas sem privilégios. Comece aproveitando os momentos de aprendizado quando seus filhos respondem às diferenças que veem. Embora seja natural querer calá-los, fazer isso pode reforçar que “há algo ruim em perceber a diferença, e é aqui que os estereótipos começam”, diz Derald Wing Sue, Ph.D., professor de psicologia e educação no Teachers College, Columbia University e autor de Race Talk and the Conspiracy of Silence. Se seu filho em idade pré-escolar menciona a cor da pele ou a baixa estatura de alguém, tente dizer: “As pessoas nascem em todos os tons, formas e tamanhos diferentes. Não é maravilhoso?”. Diversificar sua estante de livros, baú de brinquedos, desenhos e seu próprio círculo social também ajuda (e muito!).

Para alunos do ensino fundamental

Ajude seu filho a escolher exemplos de privilégios do mundo real. Se você for à loja de brinquedos e quase todas as bonecas são brancas, ou ler um livro juntos em que os meninos partem em missões épicas enquanto as meninas ficam em um castelo esperando pelo retorno deles, diga o que está em jogo: alguém neste cenário tem uma vantagem injusta sobre o outro, e isso não é certo.

Além disso, apresente livros históricos que celebrem os abolicionistas e aliados – pessoas que não foram perseguidas, mas lutaram por aqueles que o foram. “Em quase todas as situações, há evidências de pessoas usando sua posição para ajudar”, diz o Dr. Tatum. “Essa história precisa ser visível para as crianças. Se falarmos apenas sobre racismo e não resistência, não há modelo de como ser um aliado ”.

Para pré-adolescentes

Nesse estágio, é importante que as crianças não apenas reconheçam qualquer privilégio que tenham, mas também avancem quando veem o mundo reforçá-lo. Você precisa ser aquele que mostra a eles como. Isso pode significar interromper microagressões – que o Dr. Sue descreve como “as desprezas que até mesmo pessoas bem-intencionadas fazem” em relação às pessoas marginalizadas. Digamos, falando no churrasco da família quando um parente ridiculariza o casamento gay. Ou encorajando seu filho a confortar um colega de classe que é provocado por usar roupas de segunda mão e ter um carro da família danificado. Ou perguntando se eles gostariam de participar de uma reunião da escola com você para discutir a contratação de mais professores negros.

Em todos os casos, no fim das contas, está nas suas mãos, pai ou mãe, a educar crianças em meio a diversidade para um futuro melhor.

O Prime Day da Amazon está chegando! Nos dias 13 e 14 de outubro, você terá descontos incríveis em todas as categorias do site da Amazon. Confira as ofertas AQUI! As promoções são exclusivas para membros Prime, então se você ainda não é assinante, aproveite para fazer sua inscrição CLICANDO AQUI. A assinatura é de apenas R$ 9,90 por mês e, além de promoções especiais, você tem acesso a filmes, séries e desenhos animados, e direito a frete grátis nas compras do site.

-Publicidade-