Haja coração! Família que não tinha contato há mais de 50 anos finalmente se reencontra

Os parentes ainda não se viram pessoalmente por conta da pandemia, mas fazem chamadas de vídeo todos os finais de semana

Resumo da Notícia

  • Os parentes não tinham contato desde 1968
  • A família se reaproximou pelas redes sociais
  • Os irmãos ainda não se encontram por conta da pandemia
Rosângela e Filipe resolveram procurar a família que estava afastada (Foto: reprodução / Arquivo pessoal)

Uma família que não se via desde 1968 voltou a ter contato nessa quarentena graças a uma publicação nas redes sociais. Separados por uma distância de 250 km, entre Santos, no litoral de Saõ Paulo, e Rio Claro, no interior paulista, os parentes deixaram de se falar por problemas mal resolvidos do passado.

-Publicidade-

Tudo começou com o pai de Edwig Maria Batista de Jesus, de 72 anos, e de João Francisco da Silva, de 70 anos. Depois de se mudar de cidade, o mais velho acabou formando uma nova família e tendo outros dois filhos. Um deles foi Rosângela da Silva Ramos, de 52 anos. Os irmãos até chegaram a se conhecer na infância, mas foi a única visita que fizeram desde então.

Rosângela, João e Edwig não se falavam desde 1968 (Foto: reprodução / Arquivo pessoal)

O desejo de reencontrar a família sempre morou no coração de Rosângela, que resolveu pedir ajuda do filho, Filipe, para publicar no Facebook a sua história. Com muitos compartilhamentos, em pouco menos de dois dias Edwig já fez contato e ligou para o sobrinho.

-Publicidade-

“Na manhã seguinte, minha mãe e minha tia se falaram por telefone, confirmaram que são irmãs, e foi aquele chororô”, contou Filipe, em entrevista para o G1.

Os parentes, que estão ansiosos para se ver pessoalmente, marcaram um encontro para dezembro, por conta da pandemia. Em compensação, as chamadas de vídeo estão acontecendo todo final de semana, para aproximar ainda mais ao laços.

“A vontade de reencontrá-la ficou guardada por 48 anos e não vejo a hora de nos vermos pessoalmente, era algo que faltava na minha vida”, relata a irmã mais velha, Edwig.

-Publicidade-