Família

História de adoção: “Não nasceu de nós, mas nasceu para nós”

Suênia e Márcio encontraram na adoção a realização do sonho de aumentar a família. Mateus chegou para completar o quebra-cabeça!

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: Acervo Pessoal)

(Foto: Acervo Pessoal)

A cada história que chega no projeto “Lá em casa é assim”, parceria da Pais&Filhos com a Natura Mamãe e Bebê, ficamos mais emocionados em conhecer tantas famílias! A história da Suênia e do Márcio é inspiradora: eles encontraram na adoção a peça que faltava para deixar a família completa e ainda mais feliz.

“Meu nome é Suênia, sou casada com Márcio há 10 anos.

Nós tentamos engravidar por quase 5 anos e, depois desses anos de tentativas, decidimos que iríamos construir nossa família através de outro caminho: o da adoção.

Foi quase um ano e meio desde o cadastro e todas as etapas do processo de adoção até encontrarmos o nosso filho. Mateus chegou às nossas vidas com apenas 1 dia de vida. Sonhávamos em ter um bebê, mas tudo foi melhor do que imaginamos!

Me preparei para a amamentação e consegui amamentá-lo – foi o momento mais emocionante que vivi. Ele logo pegou o jeitinho e parecia que já nos conhecíamos de outras vidas… Foi um encontro de almas! A cada dia fomos aprendendo juntos a ser uma família.

O Márcio é um pai babão. Lembro da primeira vez que ele segurou o Mateus nos braços e o quanto ele chorou. Eram lágrimas de pura alegria e amor. Estava ali o filho tão esperado, o filho que não nasceu de nós, mas nasceu para nós! A pecinha do quebra-cabeças que estava faltando para nos completar!

Quando faltavam 4 dias para Mateus completar 1 aninho, tivemos a audiência para sua guarda definitiva. Já imaginaram como essa comemoração foi duplamente feliz? Só posso dizer que, pegar a certidão dele com nosso sobrenome foi de um sentimento de gratidão enorme! Aos olhos de Deus ele já era nosso filho desde sempre e, a partir daquele papel, ele era nosso filho perante a sociedade.

Nossa rotina é bem puxada! Meu marido é bancário, eu sou professora e moramos longe de nossas famílias. Tenho uma pessoa que me ajuda, enquanto estou no trabalho, a Luciene. Ela cuida de Mateus e está conosco desde os primeiros dias dele. Eu trabalho pelo período da manhã e no período da tarde estou em casa, então posso aproveitar bastante com nosso filho. Mas sabe como é vida de professor, né? Muita lição para corrigir, muitos testes e provas… Logo eu que sou professora de redação, então, sempre tem muito o que fazer.

Mesmo sem família por perto, a gente dá um jeito. O papai quando chega do trabalho cuida muito bem do Mateus, que hoje tem 1 ano e 4 meses e está naquela fase da bagunça!

No fim do dia estamos todos reunidos em casa e somos uma família superfeliz. Os laços que unem uma família vão além do sangue, pois podemos garantir que o amor que sentimos pelo nosso Mateus, é puro e grandioso.

Lá em casa é assim: uma correria daquelas, mas sempre temos tempo para o mais importante, o amor, que nasceu de dentro do nosso coração e preencheu nossas vidas com muita alegria!”

Leia também

Juntos é possível: “No final dá tudo certo, aprendemos na marra”

Família é tudo: “Quando me sinto esgotada na luta contra o câncer, meus filhos me estimulam”

Lá em casa é assim: “Morar em uma casa compartilhada é entender que o mundo é muito maior”

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não