Família

Hoje é dia mundial do sono, que tal comemorar dormindo?

Saiba o que está atrapalhando seu sono e como melhorar

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Dia 16 de março é dia mundial do sono, mas por que existe um dia mundial só pra isso? Porque dormir é muito importante, dormir bem é mais que importante, é preciso! Renato Calil, pneumologista e especialista em medicina do sono do Hospital Caxias D’Or explica que, durante o sono, o organismo realiza funções superimportantes com consequências diretamente relacionadas à saúde. “Como o  fortalecimento do sistema imunológico, secreção e liberação de hormônios (hormônio do crescimento, insulina e outros), consolidação da memória, isso sem falar no relaxamento e descanso da musculatura.”

Por isso tudo é que ficar sem dormir provoca alterações no ritmo biológicoa condição ambiental e em fatores orgânicos, como sonolência excessiva, dificuldade de concentração, déficit de memória, irritabilidade, fadiga física e mental, alteração de humor, manifestações psicopatológicas, neurológicas, voz lenta, aumento da sensibilidade dolorosa etc. Renato ainda explica que os distúrbios do sono podem estar relacionados com diversas doenças, entre elas, hipertensão, diabetes, depressão e obesidade. Ou seja, está na hora de cuidar do sono JÁ.

O Brasil é recordista mundial em acidentes de trânsito e as duas maiores causas desses acidentes são o álcool e o sono (incidência sete vezes maior quando comparada aos motoristas em geral).

Mulheres e o sono

● Necessitam em média de 6,8 horas do sono;

● São mais vulneráveis a insônia. As mulheres que dormem com homens que roncam são três vezes mais suscetíveis;

● Preferem dormir mais cedo e acordar mais cedo;

● Levam em média apenas 9 minutos para adormecer.

Homens e o sono

● Precisam em média de 6,2 horas de sono;

● São mais suscetíveis a ter apneia (interrupção temporária da respiração);

● Tendem a querer dormir mais tarde e acordar mais tarde;

● Levam em média 23,2 minutos para adormecer.

Cerca de 50% da população brasileira possui algum distúrbio do sono e, se você é um dessas pessoas, precisa seguir um acompanhamento com especialista, então fique alerta caso tenha os sintomas.

Insônia (sintoma frequente, chegando a atingir cerca de ½ de certas populações);

Sonolência diurna excessiva (observado, principalmente, em pacientes com distúrbios respiratórios relacionados ao sono);

 Apneia do sono (afeta 4% da população mundial e é considerada o mais grave distúrbio do sono);

Ronco;

Sonambulismo, Pesadelos, Terror do sono, Bruxismo;

Epilepsia do sono;

Distúrbios dos movimentos rítmicos (movimento de membros);

Distúrbios comportamentais (distúrbios depressivos, esquizofrenia, alcoolismo, dependência de drogas).

O que pode prejudicar seu sono

1. Usar a cama para leitura, ver televisão ou se alimentar. Prefira a sala ou outro ambiente. A cama deve estar relacionada como ato de dormir. A luminosidade da TV ou o ato de ler podem deixar a pessoa desperta;

2.  Evite ficar na cama sem dormir. Se necessário levante e faça uma atividade calma até ficar sonolento novamente. Ficar na cama rolando de um lado para outro gera estresse e piora a insônia;

3. A luminosidade e ruídos no ambiente diminuem o relaxamento ao se deitar. O quarto deve estar silencioso e com baixa ou nenhuma luminosidade;

4. O uso de álcool e de cafeína (café, refrigerante, chá preto) pelo menos 6 horas antes do seu horário de dormir podem causar insônia, pois são substâncias estimulantes. O álcool ainda pode piorar o ronco e provocar insônia no meio da noite;

5. Se alimentar próximo ao horário de dormir pode causar refluxo e insônia;

6. Cochilos durante o dia podem atrapalhar seu sono à noite;

7. O ócio pode prejudicar o sono. Procure ocupar-se durante o seu dia.

8. Exercícios no período noturno podem alterar o sono. O ideal é que se faça atividades físicas regularmente, porém evite exercícios fortes no final do dia, prefira os períodos da manhã ou almoço. No final do dia, os exercícios precisam ser mais leves como alongamento ou caminhadas, e pelo menos 4 horas antes de dormir.

9. Deitar e se levantar em horários irregulares. Procure sempre deitar e se levantar em horários regulares todas as noites.