Homem critica nome escolhido por irmã para sobrinha: “Soa como uma vaca morrendo”

Apesar da mãe ter escolhido um punhado de nomes para o futuro bebê a família não aprovou alguns deles

Resumo da Notícia

  • Uma mulher foi criticada apela escolha do nome da filha
  • A futura mãe escolheu nomes inspirados em séries vikings que ela gosta
  • O irmão da mulher não gostou muito das escolhas dos nomes

Escolher um nome de bebê nem sempre é a tarefa mais fácil, e pode ser útil para alguns pais se inspirarem em seu livro, programa de TV ou filme favorito para ajudá-los a criar alguns apelidos em potencial. Mas uma mãe, do Reino Unido, descobriu que suas escolhas de nome para sua filha são constantemente criticadas por sua família porque todas são influenciadas por um programa de TV que ela assiste com o namorado que tem vários personagens vikings.

-Publicidade-

O irmão da mulher compartilhou sua história em um post no Reddit, onde explicou que a futura mãe havia inicialmente concordado em usar um nome mais convencional depois que suas escolhas de inspiração escandinava de Thora e Katta foram vetadas, mas disse que ela repensou sua decisão e apresentou ainda mais opções – incluindo Freja, Ada, Molly, Faye e Lagertha.

O homem disse que a última das novas opções o fez cair na gargalhada porque acredita que sua sobrinha será “ridicularizada” se ela der o nome de Lagertha, o que deixou sua irmã furiosa. Ele disse: “Minha irmã de 22 anos está grávida de 34 semanas de seu primeiro filho. Ela e seu namorado gostam muito de nomes vikings por causa do programa de TV que assistem.”

“Ela estava decidida a nomear a menina com um nome normal depois de não escolher Thora e Katta de sua lista. Ninguém da família gostava muito do nome, mas era normal o suficiente, então todos aceitamos e não a desencorajamos. Recentemente, ela mudou de ideia e suas cinco opções são as seguintes: Freja, Ada, Molly, Faye e Lagertha.”

A mulher escolheu nomes diferentes para a filha, mas a família não gostou muito
A mulher escolheu nomes diferentes para a filha, mas a família não gostou muito (Foto: Getty Images)

“Respondi à mensagem com novos nomes e disse brincando ‘Lagertha parece uma vaca morrendo‘, pensando que o último era uma piada. Então perguntei se era uma piada e ela disse ‘Não!’. Eu honestamente pensei que ela ainda estava mantendo os nomes diferentes, pois desde o ano passado ela pensa neles.” O homem então pesquisou o nome e percebeu que era de fato um nome real, mas ainda disse à irmã que estava convencido de que sua filha sofreria bullying, já que o apelido é tão incomum.

Ele acrescentou: “Depois disso, pesquisei o nome e percebi novamente que é do programa de TV. Apenas 35 pessoas foram nomeadas desde 2016. Ela então me disse que eu estava sendo rude e que ela estava chorando. Eu sei que não deveria ter sido rude sobre isso, mas não consigo ver uma criança chamada Lagertha não sendo intimidada. Ou nunca ter seu nome pronunciado corretamente.”

“Eu provavelmente sou o idiota por como administrei a situação, mas honestamente pensei que ela estava brincando sobre esse nome, já que todos os outros eram nomes mais normais. Minha família me disse que eu deveria deixá-la ter seus nomes porque sua felicidade sobre eles importa.”

E embora o homem tenha chateado sua irmã com seus comentários, os usuários do Reddit estavam em grande parte do seu lado – com muitos deles concordando que ele estava apenas apontando os lados negativos do nome que a futura mãe havia escolhido.

Uma pessoa disse: “Isso mostra o quão ridículo é o nome, pois a primeira reação que você tem é que é uma piada. As crianças são intimidadas por ter nomes bobos e você está certo sobre as pessoas não serem capazes de pronunciá-lo – ela provavelmente estará corrigindo pessoas a vida inteira.”

Enquanto outro acrescentou: “Normalize chamando os pais por nomes estúpidos. A criança sofre as repercussões de sua decisão, a vida de seu filho não é um jogo e um nome não deve ser tratado como uma piada”. E uma terceira escreveu: “Você não está errado, mas provavelmente deveria ter tido mais tato. E se ela não queria opiniões, não deveria ter perguntado”.