Homem mata ex-namorada e mãe dela por não aceitar término do relacionamento

Na última quinta-feira, 25 de novembro, Karina Freitas, 20, e Silvanete dos Santos Freitas, 38, mãe e filha, foram mortas a tiros pelo ex-namorado da jovem, que está foragido

Resumo da Notícia

  • Mãe e filha foram mortas a tiros pelo ex-namorado da jovem
  • O crime aconteceu durante a manhã do último dia 25 de novembro
  • O suspeito ainda está foragido

Na última quinta-feira, 25 de novembro, Karina Freitas, 20, e Silvanete dos Santos Freitas, 38, mãe e filha, foram mortas a tiros. O crime teria sido cometido pelo ex-namorado de Karina, que não admitiu o relacionamento da jovem com outro rapaz. O suspeito está foragido.

-Publicidade-

A família das duas explicou que o homem ameaçava Karina constantemente desde o término deles, e que a situação ficou ainda pior depois que ele descobriu que ela estava em outro relacionamento. “”Ele deu um mês para ela terminar com o cara. Senão, mataria ela”, contou Karolina Freitas, irmã gêmea de Karina, ao UOL.

“Esse rapaz mora do lado da minha casa. Encontrei com ele na quarta-feira, fui andando junto com ele e, durante todo o caminho, ele falava que ia fazer alguma coisa com ela [Karina] e com minha mãe. Pedi para ele parar com isso, pois estava de cabeça quente”.

Ex-namorado matou a tiros mãe e filha
Ex-namorado matou a tiros mãe e filha (Foto: Getty Images)

No dia do crime, ele invadiu a casa de Silvanete e, após questionar quem tinha passado o número de telefone dele para o novo namorado de Karina, deu um tiro na cabeça da mãe dela. Segundo Elizângela dos Santos Freitas, irmã de Silvanete, a mãe das gêmeas ainda disse que entraria com uma medida protetiva contra o ex-namorado dela, ao qual ele respondeu: “Se der tempo”, e logo após cometeu o primeiro crime.

“Estava tudo planejado. [Ele] Pegou, engatilhou a arma e deu um tiro na cabeça da Nete. Meu menino, de quatro anos, viu tudo. Pegou e me abraçou. Fiquei com muito medo, pois ele estava transtornado. Achei que fosse atirar na gente”. Depois disso, ele foi até o trabalho de Karina, onde foi bem-vindo pelo dono da empresa por ter sido “bem educado”.

“O rapaz entrou porque já teve um filho com ela. Outras vezes esteve por aqui, nunca tivemos nenhum tumulto. Ele foi até educado”, lembrou. “Do nada ele pegou a arma e deu um tiro na cabeça dela. Ele não ficou nervoso em nenhum momento. Guardou o revólver, montou na moto e foi embora”.