Idoso com Mal de Parkinson pula de paraquedas antes de morrer: “Relembrar os velhos tempos”

o filho de Antônio Foge, Baldoino Foge, falou sobre como o pai quis viver os últimos momentos de vida com muita intensidade

Resumo da Notícia

  • Antônio sofria com Mal de Parkinson
  • Quis aproveitar o final da vida
  • Pulou de paraquedas para se lembrar como era se sentir vivo

Antônio Foge sofria de Mal de Parkinson e decidiu viver os últimos anos de vida com toda intensidade possível. Baldoino Foge, em entrevista ao G1, falou sobre como o pai vivia “uma vida de aventura até o fim” durante os 98 anos que esteve na Terra. Antônio morreu em junho deste ano, por um infarto fulminante, mas 3 anos antes de falecer, aumentou a adrenalina no sangue ao saltar de paraquedas.

-Publicidade-
Antônio Foge tinha Mal de Parkinson mas curtia a vida ao máximo
Antônio Foge tinha Mal de Parkinson mas curtia a vida ao máximo (Foto: Reprodução / G1)

“Foi sensacional. Eu queria relembrar a sensação de me sentir vivo e de ter essa liberdade que se tem quando você salta. Relembrar os velhos tempos. Eles [parentes] não acreditaram que eu ia, mas eu fui” disse Antônio na época do salto.

Reação dos parentes

“Quando os parentes souberam que ele ia saltar para comemorar o aniversário, o pessoal ficou maluco. Todo mundo gostava muito dele, então a família veio em peso no salto. Muito parente que a gente não via há anos apareceu. Nem ele esperava toda a repercussão e foi uma felicidade para ele, uma alegria muito grande”, lembra o filho.

Mais e mais aventuras

E segundo Baldoino, depois de pular de paraquedas aos 95 anos, as aventuras só aumentaram, No começo de 2020, Antônio chegou a descer de tirolesa em Pardinho e tinha a vontade de saltar novamente no Centro Nacional de Paraquedismo de Boituva.
“Nós iríamos repetir em 2019. Foi feito o acerto e até alugamos a mesma chácara de novo para os parentes. Mas aí o pessoal da empresa de paraquedismo achou melhor não saltar porque, em 2018, na hora da aterrissagem, ele não conseguiu erguer bem a perna e ficamos com medo de quebrar”, explica o filho.

Dias de festa

Porém, o dia não ficou sem comemorações, já que a família organizou uma festa de dois dias para o aniversário do idoso. O filho afirmou que o aposentado ficou lúcido até o último momento de vida e já estava programando uma nova viagem de pesca ao Mato Grosso para o aniversário este ano. “Ele viveu intensamente tudo. Foi uma vida de aventura até o fim, e pra gente é um orgulho. Ele falava que não ia deixar nada por fazer”, finalizou Baldoino.