Idosos se casam após aproximação em asilo por conta do isolamento

Dois casais de idosos se aproximaram nos momentos de solidão da pandemia e se casaram para celebrar a união

Resumo da Notícia

  • Idosos em asilos se aproximam durante a pandemia e se casam
  • Evento aconteceu no dia 24 de fevereiro e dois casais comemoraram a união
  • O asilo tem 60 moradores e todos eles participaram do casório

Faz pouco mais de um ano que a pandemia do coronavírus começou no Brasil e com o is0lamento social, muitas pessoas precisaram ficar sozinhas, para os idosos que moram em asilos, a solidão aumentou ainda mais, já que todas as visitas foram canceladas, por eles serem do grupo de risco. Porém, algumas pessoas se aproximaram e se casaram.

-Publicidade-

Primeiro casal:

É o caso da Dona Neide Antônia Samos, de 68 anos e do Rodrigo Antônio Bethonico, de 84 anos. Eles moram em uma casa de repouso em Contagem, na cidade de Minas Gerais.

Idosos se aproximam durante o isolamento e se casam (Foto: Reprodução/ Globo)

Dona Neide tem dois filhos, é divorciada e está no lar desde 2016 e Rodrigo tem três filhos e vive ali há 15 anos. Durante a pandemia, eles começaram a se aproximar mais e um dia foram flagrados se beijando pelos funcionários.  Eles se casaram e a festa teve direito a salgados, doces e até um bolo de casamento com os “noivos” no topo. A cerimônia aconteceu na última quarta, 24 de fevereiro e foi restrita apenas aos moradores e as famílias participaram por vídeo chamada.

-Publicidade-

Segundo casal:

No mesmo dia, a Antônia Moura Almeida, de 81 anos e Geral Bercia, de 69 anos também se casaram. Dona Antônia mora no lar há 26 anos e ela não tem família, só os amigos costumavam visitá-la no asilo e Geraldo nunca tinha se casado antes, ele vive lá há 4 anos e recebia vistas dos sobrinhos e dos irmãos. Ele sempre falava que queria uma namorada e sempre que os funcionários saíam, ele pedia: “Traz uma namorada para mim”.

Geraldo é cadeirante e se aproximou de Antônia, que foi vítima de isquemia e ficou com um lado comprometido. Os funcionários a convenceram a ficar mais tempo fora do quarto e ela se sentava em um banco na área externa. Foi então que Geraldo começou a cuidar dela e demonstrar carinho.

Convivência:

O asilo tem 60 moradores, sendo 33 homens e 27 mulheres. Antes da pandemia começar, eles participavam de várias atividades e recebiam muitas visitas, mas devido aos protocolos da Covid-19, precisaram cancelar esses eventos. Ângela Campos, presidente do Lar Maria Clara disse ao G1 que: “Desde março do ano passado, eles não recebem visitas de familiares, da comunidade em geral, de amigos e eles tiveram mais tempo para prestar atenção uns nos outros”. Ambos os casais, já tomaram a primeira dose da vacina.