Infecção urinária: 7 sintomas comuns, tratamento, por que pode ser grave e como identificar

Mais comum de acontecer no público feminino do que masculino, a infecção urinária precisa de atenção! O quanto antes for identificada, mais preciso é o tratamento e melhor a recuperação. Conversamos com um especialista no assunto, que tirou as principais dúvidas sobre o tema

Resumo da Notícia

  • A infecção urinária é grave e precisa ser tratada o quanto antes
  • O problema costuma ser mais comum em meninas do que meninos, devido questões anatômicas
  • É importante identificar se o infecção acontece no trato alto ou baixo

A infecção de urina pode ter os sintomas diferentes de pessoa para pessoa, mas o problema precisa sempre ser tratado com atenção, pois pode evoluir para um caso mais grave. Além de ser comum na infância, ela acomete mais as meninas do que meninos, justamente por questões anatômicas.

-Publicidade-

Em uma conversa com o urologista e pesquisador pela Universidade de São Paulo (USP), Dr. Flávio Iizuka, tiramos as principais dúvidas sobre o tema, que pode ser causado tanto por bactérias e fungos, ou ainda em casos mais raros, vírus.

O que é a infecção urinária?

Segundo o especialista, é uma infecção que acomete o trato urinário. “Ele engloba a bexiga, ureteres, rins e uretra, e no caso dos homens, também a próstata e vesículas seminais”, explica. Na maioria dos casos, a infecção urinária é causada por bactérias, sendo a mais frequente a Escherichia coli. Mas, vale lembrar ainda que ela pode acontecer por fungos, como a Candida albicans e em casos raros por vírus.

A infecção urinária é mais comum em meninas do que meninos, por questões anatômicas (Foto: Freepik)

Como a infecção urinária acontece?

Geralmente, as bactérias causadoras da infecção urinária são do trato intestinal e causadas por uma contaminação do meio externo. “Depois disso, ela vai para a uretra, passando para a bexiga e subindo para o trato urinário alto e depois os rins”.

Causas de infecção urinária

As causas da infecção urinária podem ser diversas, incluindo até mesmo as malformações do trato urinário, que são o segundo tipo mais comum do problema, ficando atrás apenas das malformações cardíacas. “Elas são bastante frequentes, como o refluxo vesicoureteral, estenose de JUP, válvula de uretra posterior, entre outros”. Além disso, é importante ficar de olho em:

  • Questões anatômicas, pois a uretra da mulher é mais curta, facilitando a contaminação do meio exterior
  • Diabetes, pois o açúcar no sangue pode favorecer a infecção
  • Causas imunológicas com fundo familiar
  • Inflamações ginecológicas, como as vulvovaginites
  • Ausência de uma boa hidratação
  • Segurar a micção
  • Constipação
  • Atividade sexual
  • Mulheres na pós-menopausa, devido alterações da flora vaginal
  • Pacientes que tomam imunosupressores

Vale lembrar ainda que se a menina já tiver suas infecções urinárias, é bastante recomendado procurar um urologista, enquanto no caso dos meninos, a partir da primeira infecção, o médico especialista deve ser consultado.

Sintomas da infecção urinária

Antes de identificar os sintomas, o Dr. Flávio reforça que existem dois tipos de infecções diferentes, sendo a primeira as infecções baixas, de uretra e bexiga, ou as infecções altas, como as nefrites que acometem os rins. Para identificar cada uma delas, confira se o adulto ou criança possui:

Infecções do trato baixo

  • Alta frequência miccional
  • Ardência ao fazer xixi
  • Urgência miccional
  • Urina com cheiro característico e mais forte
  • Presença de secreção na uretra (branca ou amarela)

Infecções do trato alto

  • Os mesmos sintomas das infecções do trato baixo
  • Febre (acima de 37,5ºc)
  • Dor nas costas (sensação de peso, queimação ou pontada)

Vale lembrar ainda que as infecções do trato alto são “mais graves e a recomendação de pacientes com nefrite requerem internação e recebimento de antibiótico na veia ou músculo”, explica o médico. Em casos mais severos, pode evoluir para infecções generalizadas, causando risco de morte, ou ainda a perda do rim.

As infecções urinárias possuem um cheiro característico, além de causar dor durante a micção (Foto: Shutterstock)

Como identificar infecção urinária em crianças

Uma maneira de identificar que seu filho possa estar com uma infecção urinária é observar as idas dele ao banheiro. Caso exista uma maior frequência, cheiro forte ou se ele reclama de dor no momento da micção, o problema deve ser investigado a fundo. Além disso, é importante levar ao médico urologista para descartar a possibilidade de uma má-formação do aparelho urinário.

Diagnóstico de infecção urinária

Para identificar ambos os casos, o urologista irá identificar o quadro clínico, pedir exames físicos e ainda exames de laboratório, como o de urina tipo 1, que irá mostrar o sedimento urinário e aumento dos leucócitos. “Mas, o exame mais importante é a urocultura, que identifica o agente patológico, no caso a bactéria. Nesse exame, é feito o antibiograma, analisando qual antibiótico irá funcionar para o tipo de infecção”.

Como tratar infecção urinária

Quando a infecção urinária é do trato baixo, geralmente o tratamento é feito a partir de antibióticos, que podem ser administrados de forma oral e dose única, ou ainda de maneira prolongada por alguns dias. “É importante salientar ainda que hoje existe uma vacina oral, na qual são oferecidos um comprimido ao dia por 90 dias ao paciente e depois uma dose de reforço depois de três meses se houver infecção urinária de repetição”. Além desses tratamentos, o especialista recomenda:

  • Repouso
  • Hidratação adequada
  • Não segurar a urina
  • Tratar as condições concomitantes, como o controle da diabetes
  • Em caso de febre ou calafrios, procurar um hospital imediatamente
  • Se for identificado também um cálculo renal, ele deve ser tratado pelo urologista

Riscos da infecção urinária

Quando o problema não é tratado desde cedo, o quadro de infecção no trato baixo pode evoluir para uma infecção no trato alto, causando o risco de perda do rim ou da vida do paciente. “Essas são as duas consequências mais temidas”, comenta o Dr. Flávio.

Além disso, o problema é considerado grave, pois ocorre um aumento das filas de transplantes renais por causa das infecções urinárias. “É importantíssimo a conscientização de que as infecções urinárias devem ser tratadas com um especialista. Se houver suspeita de infecção, características de ser do trato alto ou recorrente, é motivo para procurar um urologista, que irá identificar a melhor maneira de interromper esse ciclo”, conclui.