Irmãos adotados ainda bebês se encontram pela primeira vez após 50 anos

Os três puderam se conhecer após a ajuda de um programa de TV. Agora, eles querem aproveitar esse momento

Resumo da Notícia

  • Três irmãos se reencontraram após mais de 50 anos
  • Os dois mais velhos foram adotados por diferentes famílias e a caçula criada pela mãe biológica
  • A primogênita falou sobre a alegria (e estranheza) em receber a notícia

Após cerca de 50 anos, três irmãos biológicos puderam estar juntos pela primeira vez. Nenhum deles sabia da existência um do outro, já que os mais velhos foram adotados por famílias diferentes e apenas a caçula foi criada pela mãe de sangue.

-Publicidade-
Três irmãos finalmente se encontraram, após mais de 50 anos separados (Foto: iStock)

Steve Austin, atualmente com 55, descobriu aos 20 anos de idade que tinha uma irmã caçula, Moira Tonge, três anos mais nova que ele. Porém a descoberta da primogênita, Caroline Byass, que tem 59 anos hoje, aconteceu bem mais tarde.

No funeral da mãe biológica, os dois irmãos ouviram conversas de outros parentes e concluíram que havia mais uma irmã. A partir disso, eles contataram um programa de TV que ajuda pessoas a reencontrarem parentes, e encontraram Caroline.

“Foi arrebatador. Não há adjetivos suficientes para descrever como eu me senti – medo, ansiedade, e honra que alguém percorreria essa distância para me encontrar”, disse Caroline em entrevista ao Mirror UK.

Caroline Byass, de 59 anos, comentou sobre a surpresa em descobrir que tinha irmãos (Foto: Reprodução/Mirror UK)

Ela explicou que não tinha ideia que possuía irmãos. Caroline desabafou que nunca se encaixou na família adotiva, embora eles fossem muito legais: “Eu só não conseguia me conectar”, por isso comenta: “Eu vivi a vida toda não parecendo com ninguém, então é entranho agora saber que eu pertenço a algum lugar”.

Embora não tinham contato, desde o encontro neste ano, eles afirmam que não se sentiram como estranhos um para o outro. Mais tarde, os irmãos descobriram que a família da mãe biológica a pressionou para colocar os filhos para a adoção.

Depois desses anos separados, eles querem aproveitar o tempo perdido. “Encontrá-los me deu estabilidade. Eu de repente ancorei. Eles pertencem a mim e eu pertenço a eles”, finalizou Caroline.