Isabella Fiorentino sobre a quarentena com os filhos trigêmeos: “Nos conectamos mais”

A consultora de moda contou que o isolamento social possibilitou um convívio mais próximo com os filhos, Bernardo, Lorenzo e Nicholas

Resumo da Notícia

  • Isabella Fiorentino, de 44 anos de idade, é mãe dos trigêmeos, Bernardo, Lorenzo e Nicholas
  • Ela comentou sobre a importância da quarentena para se reaproximar dos filhos
  • Durante o isolamento, que deu uma pausa na vida corrida do trabalho, a apresentadora também descobriu a paixão pelo surfe

Isabella Fiorentino, de 44 anos de idade, é mãe dos trigêmeos, Bernardo, Lorenzo e Nicholas, comentou sobre a importância da quarentena para se reaproximar dos filhos. Durante o isolamento, que deu uma pausa na vida corrida do trabalho, a apresentadora também descobriu a paixão pelo surfe.

-Publicidade-

A consultora de moda contou em entrevista à Quem, que a quarentena possibilitou um convívio mais próximo com os garotos. “Quando a pandemia aconteceu, veio como um respiro para a minha vida profissional e me conectou mais com as crianças. Estabeleci uma intimidade maior, me reconectei a eles. Isso foi bem importante para mim”, diz Isabella.

Ela não costuma mostrar os filho do casamento com o empresário Stefano Hawilla, mantendo a privacidade dos meninos. Sobre isso a apresentadora contou que buscou humanizar a presença na web desde que as gravações do Esquadrão da Moda foram interrompidas pelo SBT. “As redes sociais mostram a vida editada, onde você mostra seus melhores momentos e não os perrengues. E os perrengues existem. Por exemplo, as aulas online com meu filho especial são difíceis e as pessoas não faziam ideia disso”, afirma Isabella, referindo-se a Lorenzo, que tem necessidades especiais.

(Foto: Reprodução / Instagram / @isabellafiorentino)

Sobre fazer mais coisas com as crianças ela disse: “Estou tendo bem mais tempo para ficar com as crianças e está bem legal. Quando meus filhos nasceram, logo quis ser aquele ideal de mãe – presente, companheira, amiga –, mas sem deixar de ser a profissional que sempre fui. E é realmente impossível ser a mãe nota mil e a profissional nota mil em todo tempo. Em algum momento, você vai falhar um pouco e acho isso ótimo. Afinal, somos seres humanos falíveis e é preciso desconstruir essa ideia de que conseguimos fazer tudo, dar conta de tudo… No meu caso, quando tive os meninos e eles nasceram prematuros, eu logo fiquei superfocada, parei de trabalhar e foi uma dedicação total. Quando decidi voltar ao trabalho, precisei colocar na balança”.

Ela também ressaltou a importância de momentos de qualidade: “Nos momentos em que podia estar com eles, eu realmente estava 100% com eles. Quando estava trabalhando, estava ali focada e fazendo meu melhor. Quando chegava em casa para ficar com meus filhos, desligava o celular, sem interferência externa, sem pensar em trabalho. Não importante o tempo que fosse, era o meu tempo com eles. A qualidade é mais importante que o tempo. Muitas mães se sentem culpadas por não estar o tempo todo com os filhos, mas considero que a qualidade do tempo que desfrutamos com eles é o mais importante. Quando eu estava trabalhando muito, decidi que as horas que estivesse com meus filhos seriam intensas e focadas neles. Tem que largar celular, olhar no olho”.