Ítalo Ferreira: campeão olímpico usava tampa de isopor do pai como prancha na infância

O atleta foi o primeiro campeão olímpico da modalidade de surf e relembrou como começou a paixão pelo esporte

Resumo da Notícia

  • Ítalo foi consagrado como medalhista de ouro na madrugada desta terça-feira, 27 de julho
  • Ele disse que começou a treinar surf com a tampa de isopor que o pai usava para vender peixe
  • Depois que conseguiu pranchas melhores, começou a competir

Ítalo Ferreira, de 27 anos, foi o primeiro campeão olímpico brasileiro de surf, trazendo muito orgulho para nosso país. Quem vê o atleta arrasando nas ondas e colecionando vitórias, não imagina o começo difícil que Ítalo teve para começar a seguir o sonho de surfar. Ele começou a treinar usando como prancha uma tampa de isopor da caixa térmica em que o pai guardava os peixes que vendia.  O surfista conquistou também a primeira medalha de ouro do Brasil nos Jogos de Tóquio-2020 nesta terça-feira, 27 de julho, nas ondas de Chiba, a 100 quilômetros da capital japonesa.

-Publicidade-
Ítalo Ferreira comemorou muito a vitória (Foto: Reprodução / EBC)

Evolução de pranchas

Na infância, como já citado, Ítalo começou com uma simples tampa de isopor pra treinar, mas daí em diante, as pranchas melhoraram de qualidade gradativamente. “Um dia um primo me deu uma prancha quebrada, mas era suficiente e melhor do que isopor. Aí meu pai me comprou uma prancha, ele pagou com um peixe e o resto em dinheiro. A partir daí comecei a surfar um pouco mais”, lembra o surfista.

Mesmo hoje sendo um atleta profissional, o ato de surfar era considerado um hobby por ele até a adolescência. Até que ele começou a disputar torneios locais, aos quais às vezes entrava pedindo dinheiro em mercados e farmácias, e Luiz “Pinga” Campos, renomado descobridor de surfistas, notou o talento dele. “Foi quando percebi que poderia ir mais longe se me dedicasse totalmente e, assim, cada vez que vencesse um campeonato, poderia ajudar meus pais”, conta Ítalo.

Daí em diante os prêmios e vitórias foram se acumulando: aos 10 anos, venceu um torneio local, aos 14 se tornou bicampeão mundial Pro Junior, em 2014 foi campeão brasileiro, em 2015 foi admitido na World Surf League (WSL) e em 2019 se tornou o terceiro brasileiro a conquistar o título mundial, depois de Gabriel Medina (2014 e 2018) e Adriano de Souza (2015).

Olimpíadas de Tóquio

Com a inclusão da modalidade surf nas Jogos Olímpicos de Tóquio, muitas portas se abriram para Ítalo, que estava sem competir há quase 1 ano e meio por conta da pandemia. “Que bom que foi agora (a estreia do surfe), porque posso participar e representar o Brasil com outros atletas. Espero que seja incrível e possamos dar um show”, disse Ítalo sobre a expectativa para os Jogos. A expectativa dele foi realizada e Ítalo se tornou o primeiro atleta a ser medalhista de ouro no surf. Parabéns Ítalo!