Jovem dá à luz em casa sem saber que estava grávida e não consegue registrar a bebê no cartório

Amanda Coelho de Jesus, jovem de 23 anos, deu à luz uma menina. No entanto, por não saber que estava grávida, entrou em trabalho de parto dentro da própria residência. Agora, ela enfrenta grandes problemas emitir a Certidão de Nascimento da criança

Resumo da Notícia

  • A Amanda não sabia que estava grávida, sendo assim, entrou em trabalho de parto dentro de sua própria residência
  • Ao tentar emitir a Certidão de Nascimento da filha, o cartório responsável apresenta dúvidas se a bebê é realmente filha de Amanda
  • O Conselho Tutelar pede que a mãe faça um teste de DNA, porém, a jovem não tem o dinheiro necessário para arcar com o exame médico

A Amanda Coelho de Jesus, jovem de 23 anos, deu à luz a uma menina em sua própria casa. Enquanto estava na cozinha sem saber que estava grávida, entrou em trabalho de parto. Segundo reportagem do G1, ela mora junto com a mãe no bairro Silvanópolis, em Cuiabá. A mãe de Amanda, a Naiara Rosania Soares Coelho, de 39 anos, afirmou que quando chegou em casa, a filha estava no quarto. A própria gestante teve que cortar o cordão umbilical da recém-nascida.

-Publicidade-

De acordo com a Naiara, a filha tem um cisto no ovário, fazendo com que a menstruação fique desregulada. Além disso, a avó da bebê contou que a Amanda tem sobrepeso, sendo assim, a família não conseguiu perceber uma possível gestação na jovem de 23 anos.

“Quando eu vi a criança, fiquei surpresa, mas claro que apoiei a minha filha. Até porque ela quis ficar com a neném e muitas mães às vezes nem querem os filhos”, disse a Naiara.

O Conselho Tutelar não acredita que a bebê é filha de Amanda
O Conselho Tutelar não acredita que a bebê é filha de Amanda (Foto: Reprodução / Arquivo pessoal)

Por não saberem que uma criança estava por vir, a família não conseguiu se unir para fazer um enxoval completo – tampouco possuíam qualquer vestuários que pudesse ser utilizado pela criança recém-nascida. Ao notar a situação de emergência, a avó usou o dinheiro de sua aposentadoria para comprar itens básicos à criança, bem como fraldas e roupas para bebês.

Momentos após o nascimento inesperado, a Naiara e a Amanda foram a um hospital de Cuiabá. No local, os médicos fizeram os procedimentos necessários para certificar a criança e, também, coletaram os exames clínicos que uma recém-nascida precisa fazer após vir ao mundo. Porém, mãe e filha precisaram ir ao Conselho Tutelar para conseguirem um documento imprescindível para fazer a certidão de nascimento no cartório.

Agora, ela enfrentam um grande problema. O cartório não acreditou que a filha fosse realmente da Amanda. “Quando chegamos o pessoal de lá [Conselho Tutelar] não acreditou muito que a bebê tinha nascido da minha filha e como precisamos desse documento para registrar a menina, disseram que teríamos que fazer um exame de DNA, só que nós não temos dinheiro para isso”, finalizou.