Jovem é aprovado em medicina após trabalhar de pedreiro com o pai: “Sem a ajuda dele teria sido mais difícil”

Adailson Moura tem 18 anos e ingressou na Universidade Federal do Pará (UFPA) através do Enem – mesmo enfrentando dificuldades para estudar a distância durante a pandemia

Resumo da Notícia

  • Adailson Moura tem 18 anos e foi aprovado para o curso de Medicina na UFPA
  • O jovem conta que teve de ajudar o pai trabalhando em obras para superar a crise financeira da família - e que por isso teve menor horas de estudo
  • Adailson também contou sobre as dificuldades do estudo à distância, e que o apoio da família foi fundamental para que alcançasse esse sonho

Adailson Moura, de 18 anos, foi aprovado em medicina pela Universidade Federal do Pará em 2021. Através do Enem, o jovem conseguiu a tão sonhada vaga em um dos cursos mais concorridos do país, enquanto ajudava a família trabalhando como pedreiro junto com o pai.

-Publicidade-

A crise financeira causa pela pandemia do coronavírus afetou muitas famílias brasileiras, incluindo a de Adailson. Por isso, em 2020, ele e os irmãos se viram obrigados a ajudar o pai nas obras em que trabalhava como pedreiro, como forma de complementar a renda da família – o quê resultou em menos tempo de estudo para o vestibulando. Sobre isso, Adailson desabafou em entrevista ao Guia do Estudante: “Fazíamos isso, porque era dali que nosso material ou qualquer meio tecnológico poderia ser adquirido para colaborar com os nossos estudos”.

Além disso, o jovem ainda contou que o ensino à distância, somado a dificuldade de encontrar um lugar adequado para estudar fora da escola, representaram grandes empecilhos na sua jornada rumo à vaga na federal: “As dificuldades existem. Talvez você não tenha condições de ter um ensino com excelentes materiais ou seus familiares não te apoiem, mas só você sabe o tamanho do seu sonho. Siga em frente, você é capaz!”.

Mesmo com as dificuldades, porém, Adailson conta que sem o apoio da família, não teria conseguido alcançar seus objetivos: “Enfrentar um exame ou qualquer concurso é algo cansativo. Não só fisicamente, mas também mentalmente, então, sem a ajuda deles seria muito mais difícil”, declara.

Adailson celebra a conquista ao lado de uma amiga, aprovada em direito (Foto: Arquivo Pessoal/ Guia do Estudante)

Agora, tendo ingressado na universidade pública vindo de um ensino também público, o novo universitário quer melhoras as condições do país para gerações futuras: “Em certo lugares, [a saúde] é muito negligenciada, nem todos têm acesso a um exame ou uma simples consulta. O mínimo que eu fizer para essas pessoas, além de ser algo gratificante na minha vida, ajudará de forma absurda uma família que está sofrendo”, desabafa. A inspiração para virar médico veio de um professor de biologia do ensino médio que, apesar da falta de recursos que encontrava nas escolas, nunca deixou de dar ótimas aulas: “Eles eram realmente comprometidos com o ensino, viam a condição econômica da turma e traziam apostilas de graça para os alunos”.

Sobre ver o nome da lista de aprovados, Adailson relata que a experiência é indescritível: “O famoso ‘listão’ é um dos dias mais aguardados do povo paraense e é um dos dias mais alegres da região, os estudantes saem nos carros, colocam uma música tradicional daqui, se sujam de ovo, trigo, colorau, e fazem desse dia um dos melhores da vida deles!”, brincou o jovem.