Justiça condena padrasto e mãe por deixarem criança de 3 anos em estado vegetativo após agressão

Em fevereiro de 2020, uma criança entrou em estado vegetativo após ser agredida pelo padrasto. 2 anos após o crime, a Justiça condenou o homem e a mãe da menina

Resumo da Notícia

  • Em fevereiro de 2020 uma criança ficou em estado vegetativo após ser agredida pelo padrasto
  • 2 anos após o crime, padrasto e mãe da menina foram condenados
  • De acordo com a avó da criança, o estado dela é irreversível

Na última quinta-feira, 3 de fevereiro, a Justiça condenou um padrasto e uma mãe por agredir uma criança de 3 anos até ela ficar em estado vegetativo. O crime aconteceu em Senador Canedo, em Goiás, 16 de fevereiro de 2020. De acordo com a avó paterna, o quadro da neta é irreversível. A menina teve sua cabeça batida contra uma parede várias vezes.

-Publicidade-

Segundo o inquérito da Polícia Civil, a mãe da menina estava no local do crime e presenciou as agressões que a menina sofreu. Ainda de acordo com as informações do inquérito, ela “deixou de agir para impedir [a violência] e proteger sua filha”.

Após ser agredida, a menina foi levada em estado grave para uma Unidade de Pronto Atendimento (Upa) de Senador Canedo. Depois, foi transferida para o Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira, onde passou por uma cirurgia e ficou internada até maio de 2020.

Justiça condenada padrasto e mãe deixarem criança de 3 anos em estado vegetativo
Justiça condenada padrasto e mãe deixarem criança de 3 anos em estado vegetativo (Foto: Reprodução G1)

Quem proferiu a decisão foi o juiz Diego Custodio Borges. A sentença para o padrasto é de 8 anos de reclusão e 6 meses de detenção com o regime inicial fechado. A mãe da criança que foi agredida não foi presa e deve cumprir 4 anos e 6 meses de reclusão em regime semiaberto.

“Nós achamos a pena injusta. Ela [a criança] praticamente perdeu a vida. Ela só alimenta por sonda. Ela faz fisioterapia para não atrofiar, mas não teve evolução em dois anos. O caso dela é irreversível, ela está só pela mão de Deus”, disse a avó em entrevista ao G1.