Klara Castanho conta em carta aberta que engravidou após ser estuprada e entregou bebê para adoção

A atriz Klara Castanho publicou um longo texto nas redes sociais em que revelou ter sido vítima de estupro. Ela comentou que a violência gerou uma gravidez, que ela descobriu poucos dias antes do parto, e resolveu dar para a adoção

Resumo da Notícia

  • Atriz Klara Castanho escreve carta aberta no Instagram e revela ter sido estuprada
  • Durante o relato, ela comenta que engravidou e entregou o bebê para a adoção
  • A atriz desabafou sobre as "diversas violências" que sofreu e pediu privacidade

Klara Castanho compartilhou uma carta aberta no Instagram na noite deste sábado, 25 de junho, em que afirma ter sido estuprada e que teve o bebê e entregou para a adoção. Em um texto longo, ela desabafou sobre o caso.

-Publicidade-
Klara Castanho publicou uma carta aberta revelando que foi estuprada e entregou o bebê para a adoção
Klara Castanho publicou uma carta aberta revelando que foi estuprada e entregou o bebê para a adoção (Foto: reprodução/Instagram/@klarafgcastanho)

A história começou a ser especulada depois que Antonia Fontenelle contou em uma live que “uma atriz global de 21 anos teria engravidado e doado a criança para adoção” e ainda acrescentou: “Ela não quis olhar para o rosto da criança”. Mesmo não revelando o nome de Klara, pelas descrições os seguidores fizeram a associação. Agora, a atriz se pronunciou nas redes sociais.

“Esse é o relato mais difícil da minha vida. Pensei que levaria essa dor e esse peso somente comigo. Sempre mantive a minha vida afetiva privada, assim, expô-la dessa maneira é algo que me apavora e remexe dores profundas e recentes. No entanto, não posso silenciar ao ver pessoas conspirando e criando versões sobre uma violência repulsiva e de um trauma que sofri”, começou.

Ela seguiu: “Fui estuprada. Relembrar esse episódio traz uma sensação de morte, porque algo morreu em mim. Não estava na minha cidade, não estava perto da minha família nem dos meus amigos”.

A atriz completou que não fez boletim de ocorrência e se sentiu muito culpada e envergonhada pelo ocorrido. Ela disse que pensou que ao fingir que não tinha acontecido ela poderia esquecer, mas não aconteceu e os traumas perseguiram ela.

“Meses depois, eu comecei a passar mal, ter mal-estar. Um médico sinalizou que poderia ser uma gastrite, uma hérnia estrangulada, um mioma. Fiz uma tomografia e, no meio dela, o exame foi interrompido às pressas. Fui informada que gerava um feto no meu útero. Sim, eu estava quase no término da gestação quando eu soube”, disse ao acrescentar que o ciclo menstrual estava normal, assim como o corpo.

Ela relembrou do momento da descoberta e falta de empatia do médico que a atendeu: “Esse profissional me obrigou a ouvir o coração da criança, disse que 50% do DNA eram meus e que eu seria obrigada a amá-lo. Essa foi mais uma da série de violências que aconteceram comigo”.

Segundo ela, o período em que soube da notícia e o parto durou apenas alguns dias e ela decidiu entregar o bebê para a adoção. “No dia em que a criança nasceu, eu, ainda anestesiada do pós-parto, fui abordada por uma enfermeira que estava na sala de cirurgia. Ela fez perguntas e ameaçou: ‘Imagina se tal colunista descobre essa história'”, relembrou.

Ela ainda finalizou: “Minha história se tornar pública não foi um desejo meu, mas espero que, ao menos, tudo o que me aconteceu sirva para que mulheres e meninas não se sintam culpadas ou envergonhadas pelas violências que elas sofrem […] Eu vou tentar me reconstruir, e conto com a compreensão de vocês para me ajudar a manter a privacidade que o momento exige”. Nos comentários, os seguidores mostraram solidariedade à atriz.