Klara Castanho recebe apoio de Giovanna Ewbank pelas redes: “Não cabem julgamentos!”

A influenciadora Giovanna Ewbank prestou apoio a atriz Klara Castanho, após a jovem fazer uma ‘carta aberta’ nas redes, contando que foi vítima de estupro

Resumo da Notícia

  • Giovanna Ewbank faz postagem para Klara Castanho
  • A atriz global postou um relato dizendo que foi vítima de estupro
  • Não só Giovanna, como várias pessoas se solidarizaram com o relato de Klara

No último sábado, 25 de junho, a atriz global Klara Castanho, de 21 anos, expôs uma situação difícil para ela nas redes, em que muitas pessoas se comoveram. Dentre elas, a influenciadora Giovanna Ewbank, mãe de Titi, Bless e Zyan.

-Publicidade-

Acontece que Klara foi vítima de um estupro e ficou grávida, e ao ter o filho, decidiu levar para a adoção. Ela também fez o relato sobre o que aconteceu nas redes. Foi criada uma rede de apoio tanto de pessoas influentes digitalmente ou não, em solidariedade pela garota.

Giovanna Ewbank fez um post neste domingo, 26 de junho, e prestou todo apoio para Atriz. “Klara, minha linda. Sinta-se abraçada. Acolhida. Cuidada. Receba todo o amor das pessoas que estão, assim como eu, em profundo choque com o seu relato. Meu coração dói ao saber que você está tendo que passar por tantos tipos de violência ao mesmo tempo, incluindo aí um tribunal de bons costumes julgando uma escolha que é só SUA, e não diz respeito a mais ninguém!”, iniciou Ewbank.

“Ironicamente, neste sábado, eu estava no Altas Horas falando sobre o poder da adoção. Adoção NÃO é sobre ajuda, sobre caridade, e SIM é sobre o desejo de ser mãe. Por outro lado, ninguém pode ser obrigada a ser mãe – principalmente vítima de um estupro. Isso é uma violência que dói em todos nós. Não cabem julgamentos. Ponto final”, continuou a mãe de 3.

Por fim, ela desejou as melhores coisas do mundo para jovem: “Klara nada mais fez que usar de um direito legal como um melhor caminho para uma vida, e para a sua vida. Você é grande, Klara! E eu te admiro. Estou aqui. Estamos aqui. Com medo, mas seguimos. Por você, pela menina de 11 anos. Por tantas e tantas outras meninas e mulheres. Sinta todo meu amor”.