Luana Piovani não autoriza uso de imagem dos filhos no BBB22: saiba os riscos da exposição de crianças

A conversa voltou a entrar em debate depois que a atriz se pronunciou publicamente sobre a decisão de não deixar as crianças aparecerem no reality

Resumo da Notícia

  • Luana Piovani não autoriza uso de imagem dos filhos no BBB22
  • Depois da decisão, a conversa sobre a exposição das crianças voltou à tona
  • Entenda mais sobre os riscos da exposição de crianças

No último final de semana, o público do Big Brother Brasil se uniu para falar sobre um assunto: a participação, ou melhor, a não participação dos filhos de Pedro Scooby no almoço do anjo. Como de praxe no programa, sempre que um participante vence uma prova e recebe o título de anjo, essa pessoa tem o direito de um almoço especial, com apenas alguns convidados. Nessa ocasião, o participante recebe fotos e homenagens em vídeo de amigos e familiares. Quando venceu a prova, Pedro Scooby logo se animou com a possibilidade de ver os filhos, Bem, Dom e Liz. Pouco tempo depois, no entanto, Boninho respondeu um internauta sobre o assunto e deixou claro que o surfista não veria as crianças. O motivo: a mãe, Luana Piovani, não havia autorizado o uso de imagem deles.

-Publicidade-

Logo após a polêmica, várias pessoas começaram a comentar sobre o assunto, questionando o motivo da atriz não ter deixado as crianças aparecerem. Depois de receber alguns comentários e críticas, Luana Piovani decidiu se pronunciar. Nos stories do Instagram, a atriz contou que não autorizou por não concordar com as cláusulas do contrato da TV Globo a respeito do uso da imagem dos filhos.

No contrato, eles pedem que as imagens sejam de direito da Globo, ou seja, só podem ser usadas pela emissora ou com a autorização da emissora. Além disso, o contrato também tem caráter vitalício. Então, mesmo após o BBB 22 acabar, a TV Globo seria dona das imagens que os filhos de Piovani gravassem para o pai.

E, mesmo se em um futuro distante ou não, Dom, Liz e Bem desistissem de aparecer na televisão ou não quisessem ter suas imagens relacionadas à TV Globo, não poderiam impedir. Pedro Scooby comentou durante o programa que ficou aliviado que pelo menos a esposa, Cíntia Dicker, disse que as crianças estão bem.

Luana Piovani explica motivo de não deixar os filhos aparecerem no Big Brother Brasil
Luana Piovani explica motivo de não deixar os filhos aparecerem no Big Brother Brasil (Foto: reprodução Instagram)

Toda a situação abriu novamente um debate sobre um tema muito sério: o uso de imagem de crianças. Seja em veículos de televisão ou até mesmo uma simples publicação nas redes sociais, os pais, responsáveis e familiares precisam ficar muito atentos na hora de expor a imagem de uma criança. Em meio a um mundo superconectado, é muito difícil medir as proporções que uma simples imagem pode adquirir no universo online.

Uso de imagem de crianças

Quando o assunto é o uso da imagem de uma pessoa (seja criança ou adulto) em qualquer mídia, de televisão à rede social, entramos na conversa a respeito de privacidade. No caso de crianças, cabe aos pais definir o que é aceitável ou não, já que eles não têm autonomia e compreensão de como aquela publicação pode repercutir. Um bom exercício a se fazer sempre que for compartilhar a foto ou vídeo do seu filho é pensar como ele veria aquilo no futuro (ou até mesmo no presente).

A ideia é tentar se colocar no lugar dele e pensar como você se sentiria caso alguma imagem sua parecida rodasse por aí. Ao falar sobre a decisão de não autorizar a participação dos filhos no reality show, inclusive, Luana Piovani chegou a mencionar escolhas que fez em relação à própria imagem. “E aí, gente, eu nunca me submeti à grande empresa, não é verdade? Não vou agora submeter meus filhos”, disse ela, na ocasião.

Pensar na privacidade e em como essa imagem vai se repercutir, claro, não significa que você, como pai, mãe ou responsável, não deva autorizar de jeito nenhum que as crianças apareçam nas redes ou que as usem. Como tudo, o segredo é chegar em um equilíbrio. O mundo está cada vez mais conectado e pensar que seu filho não terá acesso a plataformas online não é muito realístico.

A principal dica dos especialistas no assunto é buscar estar sempre por perto e de olho no que ele está consumindo e postando. Afinal, cabe a você, como adulto, definir o que é aceitável ou não. “O acompanhamento dos pais e o canal de comunicação sobre o uso da tecnologia é fundamental para que as crianças estejam seguras e saibam usar de forma correta as plataformas digitais”, considera Nathalia Pontes, filha de Arlete e Benedito, coordenadora de pesquisa e desenvolvimento educacional na PlayKids.

A conversa é o caminho

Se você perceber alguma movimentação estranha do seu filho online ou definir que tal publicação não seja segura ou adequada para ele, o ideal é ter uma conversa franca sobre o assunto. Quanto mais direto você for, melhor. Mas, claro, usando uma linguagem que seu filho entenda e consiga perceber o que está realmente acontecendo. “Diálogo e orientação são essenciais. mas quando a questão é segurança e bem-estar das crianças é ‘papo reto’, sem floreios. Assim como damos orientação quando vamos ao shopping, é direito da criança saber quais são os seus riscos online”, orienta Ivanice Cardoso, mãe de Helena e Beatriz, advogada especializada em direito digital e nossa super colunista.