Luciana Gimenez faz relato sobre maternidade real: “Não existe fórmula”

Apresentadora que é mãe de Lucas Maurice Morad Jagger, de 18 anos, e Lorenzo Gabriel Morad Fragali, de 9 anos, abriu o jogo sobre as próprias experiências

Resumo da Notícia

  • Luciana Gimenez, de 51 anos, fez um relato sincero sobre a maternidade real
  • A apresentadora é mãe de Lucas Maurice Morad Jagger, de 18 anos, e Lorenzo Gabriel Morad Fragali, de 9 anos
  • Confira o relato

Luciana Gimenez, de 51 anos, fez um relato sincero sobre a maternidade real. A apresentadora que é mãe de Lucas Maurice Morad Jagger, de 18 anos, e Lorenzo Gabriel Morad Fragali, de 9 anos, abriu o jogo sobre as próprias experiências.

-Publicidade-
Luciana Gimenez é mãe desses dois meninos e provou que não importa o quanto eles cresçam, vai ser sempre coruja (Foto: reprodução/Instagram @lucianagimenez)

Lucina disse que não esperava primeira gestação. “Quando fiquei grávida do Lucas foi um susto. Passei dois dias na cama e não sabia o que fazer. A ideia de ter um ser dentro de mim sempre foi um sonho. Entretanto, na hora que acontece, você se pergunta: “Como assim? Como tem uma pessoa crescendo dentro de mim?'”, disse ao O Dia.

Apresentadora ainda falou sobre como ser mãe na prática não é tarefa fácil. “Sim, tá no livro. Aliás, li inteiro “O que esperar quando se está esperando”, mas na prática é muito diferente. A criança está ali. Você chora, vê o coraçãozinho no ultrassom, mas ao mesmo tempo não entende a extensão dessa nova situação! Aí num belo dia, você vai para o hospital e depois de 12 horas em trabalho de parto, com contrações a cada um minuto, sua médica vira e diz: “Olha a cabeça do seu filho! Você vai puxá-lo?”. Como assim? Isso mesmo. Coloquei as mãos por baixo das axilas do Lucas, o puxei e então, naquele momento, eu tinha um bebê nas minhas mãos. Eu o coloquei no meio dos seios e percebi que tinha nascido um filho e uma mãe. É o clichê mais puro e verdadeiro”, se derreteu ela.

-Publicidade-

Ela descreveu o turbilhão de sensações sobre ser mãe. “Todas nós pensamos, mas vamos aprendendo. Cada dia é um dia, cada bebê é único e cada mãe tem sua peculiaridade. Não existe fórmula. Tem dias que você está muito feliz e tem aqueles momentos que pensa: “O que eu tô fazendo aqui?”. É engraçado que, quanto mais a gente vai se apaixonando, mais a gente quer aquele filho só pra nós. E ele foi crescendo. Aprendi que o respeito é a espinha dorsal de todo relacionamento“, disse.

Luciana ainda ressaltou que é difícil perceber que o filho deve trilhar o próprio caminho, mas que ela aprendeu a lidar com a situação. “Para as mães, é difícil entender que os filhos seguirão seus próprios caminhos, mas o Lucas e o Lorenzo me ensinam muito isso. Procuro passar ensinamentos através do amor, carinho, respeito mútuo, cumplicidade”, afirmou.

Apresentadora disse que sempre deu prioridade para momentos marcantes na vida dos filhos. “Ser mãe é dar o melhor de você e ter a certeza de que este ser que saiu de dentro de você pode ser muito mais feliz com sua ajuda sendo o alicerce em todos os momentos. Sempre quis que meus filhos tivessem uma infância com muito amor e percebam que não mencionei dinheiro, pois ele é importante para proporcionar cenários bonitos, mas o mais importante é o amor e não o belo cenário. Você pode sentar em qualquer lugar com seu filho, ver o trem passar e conversar sobre momentos importantes pra ele”, conta.

Ela ainda afirmou o que é ser mãe para ela. ” Ser mãe pra mim, é todos os dias acordar e pensar se meus filhos estão bem. Não tem um dia sequer que não pense no bem-estar estar deles”, disse.

Culpa, todas as mães sentem e a apresentadora deu um conselho. “E quando vem a culpa? Ah! Essa assombra de mansinho e é arrebatadora. Quando tenho que trabalhar e deixá-los, assim como milhares de mães, de brasileiras, guerreiras, que tomam duas, três conduções, é sempre um desafio. Vem aquele questionamento inoportuno: “Seu filho está crescendo sem você?”. Chegar em casa e ele já estar dormindo… Mães, não se culpem assim! Nós somos o melhor que podemos ser e somos a referência para nossos filhos”, afirmou.

Por fim, ela ressaltou que é importante ter um bom relacionamento com os filhos, mas não esquecer de você mesma. ” sou “mãe amiga” dos meus filhos, mas sou muito mais mãe do que amiga. Essa linha é tênue, mas eles precisam nos ver como pais e mães. Não quero nunca que eles sejam meu apoio, pois isso é muito para uma criança. Abdiquei de todos os meus desejos egoístas em prol dos meus filhos e isso não quer dizer que não me ame, pois se não me amar e me respeitar, não serei bom exemplo para meus filhos. Ser mãe é tentar ser uma pessoa melhor. Todos os dias”, finalizou.

-Publicidade-