Luisa Mell relembra episódio de violência médica em live: “não quero viver assim”

A ativista, Luisa Mell, relembrou o episódio de violência médica que sofreu em dezembro do ano passado, após marido autorizar cirurgia de lipoaspiração, sem o consentimento dela

Resumo da Notícia

  • Luisa Mell desabafou em live, relembrando o episódio de violência médica que sofreu no ano passado
  • Ela relata ainda ter cicatrizes de machucados no pescoço
  • A ativista se separou do marido Gilberto Zaborowsky em julho deste ano

Nesta última segunda-feira (27), durante uma live, a ativista Luisa Mell (48) desabafou, em prantos, a experiência de violência médica que vivenciou em dezembro do ano passado. Ela teria ido à uma clínica para realizar um procedimento médico, mas quando acordou, descobriu que havia sido submetida a uma lipoaspiração nas axilas, autorizada por Gilberto Zaborowsky, marido até então. Ela relatou ainda sofrer com esse episódio, a ponto de cogitar tirar a própria vida.

-Publicidade-
Luisa Mell compartilha traumas por ter sofrido violência médica
Luisa Mell compartilha, em prantos, trauma por ter sofrido violência médica, durante uma live (Foto: Reprodução / Instagram / @luisamell)

“Nunca mais vai ser daquele jeito. Nunca mais eu pude usar meu armário, as minhas roupas porque ele achou que eu tinha muita gordura baseado no conceito estético sei lá de quem. Não é justo isso, gente. Não é possível! Fora que ele machucou todo meu pescoço, depois eu vou mostrar pra vocês. Ele deixou marcas”, contou visivelmente abalada.

“Desculpa, eu precisava falar pra vocês porque eu só penso em morrer nos últimos tempos… mas eu tenho meu filho, eu tenho meus bichos… Não quero viver assim. Esse post é justamente para que ninguém passe na vida por isso”, concluiu.

Luisa tem enfrentado diversos desafios na vida. Além dos traumas que sofridos pela violência médica, ela e o empresário Gilberto Zaborowsky (58) se separaram em julho deste ano, após abusos e traições. Eles estavam juntos há 10 anos e têm um filho, Enzo Zaborowsky, de 6 anos.

“Ainda estou pensando. Quando tornei público o assunto, estava tão alucinada que nem tinha me dado conta de que estava com 47 quilos. Foi muito importante falar, porque não falar era uma outra violência. Mesmo assim, está longe de estar superado, estou fazendo terapia e estou medicada, mas é bem difícil. Umas das piores coisas que me aconteceram”, relatou para a colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo, em agosto deste ano.