Mãe adota senhora de 67 anos que nunca recebeu visitas no hospital: “Mais uma filha”

Ela tem apenas 27 anos e já era mãe de Emily

Cotinha e a nova família (Foto: Reprodução/Facebook Sérgio Rocha Repórter)

Gláucia Andressa tem 27 anos, é mãe biológica de Emily, 2 anos, e agora também é mãe de Cotinha, uma senhora de 67 anos. Ela adotou a idosa que morava há 60 anos na instituição na qual ela trabalhava. Cotinha chegou ao hospital da Beneficência Portuguesa depois de ser atropelada ainda criança e ficou por lá porque ninguém apareceu para buscá-la.

-Publicidade-

Tudo começou quando Gláucia começou a trabalhar como copeira na unidade do hospital em Araraquara e conheceu a senhora que tinha sido adotada pelas freiras da instituição. Não se sabe ao certo a idade de Cotinha, nem o verdadeir o nome dela, ela estava sem documentos quando chegou ao hospital, na década de 60.

A senhora ficou todos esses anos em um quarto ao lado da lavanderia e ficou amiga de Gláucia, em 2010, no refeitório dos funcionários. Mas o hospital foi fechado por conta de uma dívida e Cotinha foi mandada para um abrigo.

-Publicidade-

Gláucia contou ao site Razões Para Acreditar, que assim que soube disso foi visita-la e encontrou a ‘filha’ chorando em um canto, pedindo para ir embora. Ela então entrou em contato com uma advogada e começou o processo para ter a guarda de Cotinha.

A idosa que quase não fala, apenas repete algumas palavras e se comunica com ajuda de gestos está vivendo com Gláucia, Emily, os pais e com o marido da copeira. Para o site, Cotinha conta que nunca recebeu visitas, mas que ganhou uma família após a unidade ser fechada.

“Quando decidi levá-la para casa, não pensei no dia de amanhã. Sabia apenas que estava cumprindo uma missão que Deus havia me confiado: ser a ‘mãe’ da Cotinha. A Cotinha ganhou um lar e eu, mais uma filha. Quando viu a Emily me chamar de mãe, começou a chamar também”, explicou Gláucia.

Cotinha finalmente ganhou uma certidão de nascimento e perante ao Estado, se chama Maria Coutinha dos Santos Gomes e comemora o aniversário no dia 12 de outubro, a data que recebia os parabéns das freiras do hospital.

Leia também: 

Relato de adoção: “Ele sempre foi nosso filho, só demoramos para nos encontrar” 

História de adoção: “Não nasceu de nós, mas nasceu para nós” 

Por que o número de crianças para adoção é muito menor do que o dos interessados para adotar?

 

-Publicidade-