Mãe afegã é obrigada a abandonar um dos filhos gêmeos para poder alimentar o outro

A pobreza no Afeganistão chamou a atenção da equipe do Save the Children

Resumo da Notícia

  • Bibi deu á luz gêmeos
  • A mãe precisou abandonar um dos filhos
  • A família não tem condições de comprar alimento no Afeganistão

Uma mãe afegã foi forçada a desistir de um de seus gêmeos quando a crise alimentar do Afeganistão se tornou tão terrível que um número crescente de famílias está sendo levada a medidas desesperadas para poder alimentar seus filhos, disse Save the Children.

-Publicidade-

Bibi, 40, deu à luz gêmeos – um menino e uma menina – há alguns meses. Mas Bibi e seu marido, Mohammad, 45, decidiram que não tinham escolha a não ser desistir de um deles, pois não tinham dinheiro suficiente para alimentar seus agora oito filhos. Eles deram a criança a um casal sem filhos.

“Não temos nada, então como eu poderia cuidar deles (ambos)?” disse Bibi. “Eu sofri por ter que separá-los. Foi uma decisão muito difícil, mais do que você pode imaginar. Foi especialmente difícil doar o bebê por causa da pobreza ”. A história comovente foi descoberta pela equipe da Save the Children no Afeganistão e é o mais recente incidente relatado de pais atingidos pela pobreza sendo forçados a abandonar seus filhos.

Prevê-se que mais de 97% dos afegãos cairão abaixo da linha da pobreza em meados do próximo ano. O país está enfrentando a pior crise alimentar já registrada, e um número crescente de famílias, como a de Bibi, está sendo pressionada a tomar decisões desesperadas e transformadoras para sobreviver.

As crianças estão passando fome no Afeganistão
As crianças estão passando fome no Afeganistão (Foto: Reprodução/Save the Children)

Bibi explicou que pretendia dar seu bebê sem pedir qualquer pagamento por ele. No final, eles receberam uma pequena quantia em dinheiro em troca do bebê. “Eu não tinha dinheiro para comprar leite, comida ou remédios. Com esse dinheiro, poderia comprar comida por meio ano ”, disse ela. A família foi deslocada de sua fazenda há cerca de sete meses devido à prolongada seca, que devastou as safras e levou milhões à beira da fome. É extremamente difícil para Mohammad encontrar trabalho, mesmo que seja alguns dias por semana.

Quando ele faz isso, o salário de um dia inteiro não cobre nem mesmo dois dias de despesas para sua família. Para complementar a renda da família, seu filho, Hamdast, 12, trabalha no mercado local empurrando carrinhos que carregam pertences pessoais das pessoas.

“Precisamos de ajuda, estamos famintos e pobres”, disse Mohammad. “Não há oportunidades de trabalho no Afeganistão. Temos filhos. Precisamos muito de farinha e óleo, o que não temos. Também é bom ter lenha. Não pude comprar carne nos últimos dois ou três meses. Só temos pão para as crianças, que nem sempre está disponível.”

Quase 14 milhões de crianças não saberão de onde virá sua próxima refeição neste inverno, colocando milhões de crianças em risco, pois o país enfrenta a pior crise alimentar de todos os tempos. Milhões de crianças correm o risco de adoecer ou até morrer porque não têm o suficiente para comer, alertou Save the Children, com cerca de 3,2 milhões de crianças com menos de cinco anos de idade que devem sofrer de desnutrição aguda até o final do ano.

Nora Hassanien, diretora nacional do Afeganistão disse: “É absolutamente doloroso que algumas famílias afegãs estejam sendo levadas a medidas tão extremas e desesperadas para sobreviver e alimentar seus outros filhos. Nenhum pai deveria ter que tomar a decisão impossível de desistir de um filho.”

“Milhões de crianças no Afeganistão, que já viveram toda a sua vida durante a guerra, estão agora à beira da fome. À medida que as temperaturas caem para bem abaixo de zero, milhares de famílias não terão dinheiro para comprar combustível para se aquecer neste inverno, colocando as crianças em risco de adoecerem ou até morrerem.”

“O tempo está se esgotando para que as crianças recebam a ajuda vital de que precisam para sobreviver ao inverno. E os esforços de ajuda estão sendo prejudicados por sanções e políticas de combate ao terrorismo, que impedem que a ajuda chegue às famílias que precisam desesperadamente dela. ”