Mãe com abdômen inchado recebe diagnóstico de câncer após médico afirmar que era menopausa

Caroline Guy foi informada pelo clínico geral que o abdômen inchado era causado pela menopausa. Quando recebeu o diagnóstico de câncer terminal, disseram que tinha uma estimativa de apenas 3 meses de vida pela frente

Resumo da Notícia

  • Um médico diagnosticou uma mãe com menopausa por conta do abdômen inchado
  • Em uma viagem, ela descobriu que, na verdade, estava com câncer estágio 4
  • Após tratamento, a mãe atingiu a remissão da doença

Em 2019, a mãe de duas meninas, Caroline Guy, percebeu que o abdômen estava inchado. Quando perguntou ao clínico geral, a resposta foi de que ela estava perto da menopausa e por isso estava com inchaço no abdômen que não tinha anteriormente.

-Publicidade-
Após exames, a mãe descobriu que o inchaço no abdômen não era menopausa, e sim câncer estágio 4
Após exames, a mãe descobriu que o inchaço no abdômen não era menopausa, e sim câncer estágio 4 (Foto: Getty Images)

No início de 2020, Caroline decidiu visitar o marido que mora na Arábia Saudita, e foi nessa viagem que ela recebeu o diagnóstico. Para o jornal Liverpool Echo, ela disse que acordou no meio da noite em agonia, muito enjoada e “parecendo estar grávida de 7 meses”. Caroline foi levada às pressas para o hospital, onde descobriu que estava com câncer de intestino estágio 4 que se expandiu para o fígado e ovários. Além disso, o diagnóstico era terminal e com apenas 3 ou 4 meses de expectativa de vida.

A mãe de Hollie e Gabrielle começou a fazer quimioterapia na Arábia Saudita, mas voltou para a Inglaterra pouco tempo depois: “Foi assustador, pensar em voltar para a Inglaterra […] mas eu tive que voltar. Eu precisava ver minha família”. Nos exames seguintes, foi possível notar uma redução no tamanho do tumor, aumentando a expectativa de vida de Caroline para dois anos.

Após continuar a quimioterapia que diminuiu o tumor, os cirurgiões Alastair Simpson e David Humes a ofereceram uma cirurgia que poderia retirar o que havia sobrado do câncer. Graças a cirurgia, ela atingiu a remissão (quando os sinais e sintomas do câncer estão parciais ou ausentes) e precisará ser monitorada a cada 3 meses pelos próximos 5 anos. Caroline contou sobre o alívio que sentiu com a notícia: “O cirurgião olhou para mim e disse: ‘Você não tem nenhum câncer”. Eu perguntei: ‘Tem certeza?’. Eu não conseguia acreditar. É um milagre”.

Agora, o marido de Caroline, Adam, voltará para a Inglaterra e os dois planejam comprar uma casa em Nottingham para ficar mais perto das filhas. A mãe que tinha apenas 3 meses de vida e agora está em remissão, conta que essa jornada a fez mais forte.