Mãe de 11 filhos conta como resgatou sozinha grupo de estudo de afegãs do Talibã

Allyson Reneau decidiu que iria sozinha para o Qatar, aos 60 anos, para trazer pessoalmente as meninas de 16 a 18 anos que faziam parte do Grupo de Robótica do Afeganistão, com o qual teve contato em 2019

Resumo da Notícia

  • Allyson Reneau decidiu, aos 60 anos, que iria sozinha ao Qatar para resgatar um grupo de afegãs do Talibã
  • Allyson possui 11 filhas
  • Ela teve contato com as meninas afegãs em 2019, enquanto ministrava o Grupo de Robótica do Afeganistão
  • As meninas estão protegidas em solo americano - e poderão seguir com o ensino superior

Allyson Reneau conversou com o portal Today sobre experiência impressionante que viveu aos 60 anos, depois que decidiu ir sozinha ao Qatar para resgatar um grupo de estudantes afegãs do Talibã. A mãe de 11 filhos contou que teve contato com o Grupo de Robótica do Afeganistão em 2019 – e se apegou muito às meninas.

-Publicidade-
Allyson é mãe de 11 filhos (Foto: Reprodução/ Facebook)

Eu não sabia por onde começar, mas não conseguia me livrar disso. Eu disse a mim mesma: ‘O que eu tenho em minhas mãos? Por onde posso começar?’. Eu me senti um pouco desamparada”, relembrou Allyson, sobre o dia em que soube o que estava acontecendo no Afeganistão.

Formada em Harvard, Allyson possui contato com importantes personalidades que poderiam lhe ajudar a resgatar as meninas com idades entre 16 e 18 anos. Por isso, contou que chegou a ligar para o senador americano Jim Inhofe que, segundo ela, estava “sobrecarregado com a necessidade de ajudar nossos cidadãos americanos”. “Ele é o membro graduado do Comitê das Forças Armadas”, comentou ainda, sobre a ajuda.

Então, sem ter mais ideias, a mulher decidiu voar para Qatar, como um “ato de fé”. “Às vezes, a ação apenas abre portas, [mas] eu estava indo sozinha e estou pensando,’ Será que eu conheço alguém no Qatar?'”. Felizmente, ela lembrou de uma ex-colega de quarto da faculdade, que trabalhava na embaixada americana do Qatar – que topou ajudar na hora.

Allyson resgatou um grupo de estudos de meninas afegãs (Foto: Reprodução/ Instagram)

Assim, depois de algumas noites de intenso trabalho e burburinho, Allyson retornou aos Estados Unidos com algumas das meninas – outras 25 ainda aguardam a documentação necessária para sair do Afeganistão. “‘É uma janela de oportunidade muito estreita’, disse ela sobre o resgate das meninas. ‘Eu sabia que se não corresse por aquela porta agora – é agora ou nunca. Às vezes você só tem uma chance”, se emocionou, sobre o resgate. As meninas seguem em solo americano, onde poderão seguir com os respectivos cursos superiores.