Mãe de 11 filhos se forma em pedagogia aos 76 anos de idade: “Espero poder inspirar outras senhoras”

Maria Clara de Santana é pedagoga aos 76 anos de idade e afirmou que durante a infância na roça nunca recebeu o apoio necessário aos estudos

Resumo da Notícia

  • Maria Clara de Santana se formou aos 76 anos de idade
  • Ela disse que nunca recebeu o apoio necessário aos estudos quando era menor
  • A pedagoga começou a estudar para incentivar o filho

Maria Clara de Santana, de 76 anos de idade, derrubou todas as expectativas e preconceitos que existem com as mulheres mais velhas ao terminar a faculdade e ter conseguido se formar em pedagogia. Mãe de 11 filhos, a nova graduada contou em entrevista exclusiva para a Universa, da UOL, sobre a infância na roça e os desafios que enfrentou até chegar nos dias de hoje.

-Publicidade-

Na minha idade, quando a gente pensa em cursar um nível superior é porque está com desejo de adquirir novos conhecimentos, aprender mais e conhecer novas pessoas.”, começou afirmando Maria. Durante a infância no distrito de Ribeira do Amparo, que faz divisa com Cipó, localizado no interior da Bahia, a mulher contou sobre a participação escassa na escola.

Maria Clara de Santana em sua formatura (Imagem: Arquivo pessoal)

“Seja porque nossos pais nos colocavam para trabalhar cedo demais ou pela falta de acesso dos professores à área rural. Por dependerem de transporte, numa região em que as pessoas andavam no lombo dos animais, os professores passavam dois ou três dias sem dar aulas.”, relembrou a pedagoga, que entrou para a escola apenas aos 7 anos.

Aos 21 anos de idade, Maria se casou com o homem que lhe daria 11 filhos, os quais sempre foram incentivados a estudar e foram para a faculdade. Entretanto, apenas um deles não quis seguir o mesmo caminho que os irmãos. “Para incentivar meu filho, me inscrevi com ele e fomos estudar juntos. Foi quando me formei no curso primário.”

Apaixonada pelos estudos, a recém formada decidiu ir além, alegando que amava o curso que escolhera e que nunca perdeu uma aula sequer. “Chegou uma faculdade na cidade e tive um convite para ingressar. Aceitei. Fiz minha matrícula e continuei estudando. Muita gente duvidou de que eu conseguiria concluir, mas sempre acreditei em mim e só sosseguei quando me formei”, respondeu ela em entrevista.