Mãe de cinco crianças adota terceiro filho com deficiência

Arely, depois de sofrer traumas em sua adolescência, decidiu acolher crianças em situação de vulnerabilidade

Resumo da Notícia

  • Mãe de três filhos biológicos e dois adotados acolhe mais uma criança
  • Amor é o que não falta nessa família
  • O desejo de adotar crianças em situação de vulnerabilidade veio de um trauma da juventude da mãe

Que o amor sempre fala mais alto, todos sabemos, e essa frase é afirmada diariamente com as atitudes de Arely Viera, que além de seus três filhos biológicos está acolhendo mais uma criança, que se juntará à Elizabete e Paulo, que também foram adotados.

-Publicidade-

Em entrevista ao Razões para Acreditar, Arely conta que acredita no potencial das crianças, e que com os estímulos necessários, elas terão mais autonomia e independência.  Ainda sobre o processo de adoção, que está na fase do acolhimento, a mãe afirma que mesmo que o diagnóstico da criança seja de pouco tempo de vida, “eu darei de tudo para que ela tenha o melhor tempo de todos. Por ela e por meus filhos”, comentou.

A decisão de acolher as crianças com necessidades especiais vêm de um trauma que Arely sofreu na adolescência. Quando tinha 16 anos, sofreu abusos por parte do tio, e daí veio a decisão de acolher crianças em situação de vulnerabilidade.

Além de seu filho biológico, Samuel, que tem autismo, Arely decidiu adotar também Elizabete, que tem paralisia cerebral e Paulo, tetraplégico e vítima de maus-tratos. A família é composta também pelo esposo de Arely e pai adotivo das crianças, Rubens, que sustenta a família com o salário de motorista. As crianças também contam com um benefício do governo, utilizado para os tratamentos e remédios e arrecadações por meio de ‘vaquinhas’ online.

Mãe acolhe crianças com vulnerabilidades
Mãe acolhe crianças com vulnerabilidades (FOTO: Reprodução / VOAA)

O sonho da maternidade é diferente para cada casal, mas independente de como seja vislumbrado, envolve vários desafios e alegrias. Ser mãe e pai vai muito além de dar a vida, mas implica em oferecer as bases para que o filho possa construir a sua própria.  Para quem tem a vontade de adotar o caminho pode ser longo, mas a recompensa é maior.