Mãe de copiloto do avião que caiu em Paraty afirma que não vai parar de buscar o filho

O jovem estava no avião que desapareceu em alto mar entre Paraty e Ubatuba

Resumo da Notícia

  • Mãe de copiloto do avião que caiu abriu o coração nas redes sociais
  • Ana Regina afirmou que não vai parar as buscas para encontrar o filho
  • Ela também lamentou a falta do filho na ceia de Natal

Na última sexta-feira, 24 de dezembro, Ana Regina Agostinho, mãe do copiloto, José Porfírio de Brito Júnior, de 20 anos, que estava no avião que caiu em alto mar entre Paraty e Ubatuba, usou as redes sociais para abrir o coração, falando sobre a angústia da falta de notícias e também afirmou que não vai desistir de procurar pelo jovem.

-Publicidade-

“Minha filha agora deleta as mensagens para que eu não veja, mas antes, recebia imagens de corpos, gente dizendo que estava sentindo fedor e que o corpo devia estar perto, que a cabeça dele já devia estar explodindo. Coisas desnecessárias e cruéis. Tem gente sem noção, que manda coisas horríveis, mas tem gente bondosa, que me abraçou, mesmo sem nunca ter me visto também”, desabafou a mãe.

“Fomos vítimas de um golpe em que uma pessoa disse que emprestaria uma aeronave desde que depositássemos o valor do combustível. A pessoa se apresentou como sogra de um amigo de um amigo, se aproveitou da nossa fragilidade e sumiu com R$ 800. Fiquei desesperada no aeródromo de Paraty, mas uma outra pessoa me viu naquele estado e me deu o dinheiro para eu não parar com a busca”, lamentou.

Copiloto, José Porfírio de Brito Júnior, de 20 anos, estava no voo que desapareceu próximo à Ubatuba, SP
Copiloto, José Porfírio de Brito Júnior, de 20 anos, estava no voo que desapareceu próximo à Ubatuba, SP (Foto: Reprodução / Instagram / Metrópoles)

“Eu não vou parar. Preciso de uma resposta. Por que eu vou parar? Se eu não tenho um corpo, uma resposta? Uma mãe não para. E a força de uma mãe, sensibiliza outras. É isso que eu quero que as pessoas entendam: uma mãe de verdade não desiste do seu filho, e eu não estou louca”, disse.

Ela também lamentou o fato de não ter o filho para a ceia de Natal. “Hoje é um dia muito difícil, um mês sem respostas, véspera de Natal. Hoje (sexta, 24) ainda recebi a mochila do Junior, que foi achada no mar. Está machucando bastante. Não vai ter ceia de Natal. Queria passar dormindo e que minha filha, Nathália, ficasse com os amigos dela. Ela tem 16 anos, mas é uma menina muito madura. Ela fala para eu não desistir do irmão, diz que tem orgulho de mim. Muito madura e está sofrendo calada. Não chora na minha frente para eu não desabar”, acrescentou.

Entenda o caso

Na madrugada da quinta-feira, 25 de novembro, um avião bimotor caiu no trajeto de Campinas ao Rio de Janeiro, próximo à Ubatuba, litoral norte de SP. A aeronave tinha três pessoas a bordo no momento do acidente.

O avião decolou às 20h30 do Aeroporto dos Amarais e pousaria no Aeroporto de Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio. De acordo com informações da empresa, a última localização dada foi em uma região próxima a região de Ubatuba e Paraty (RJ).

Avião com bimotor que caiu
Avião com bimotor que caiu (Foto: Reprodução / R7)

De acordo com o Centro de Coordenação de Salvamento Aeronáutico de Curitiba, da Aeronáutica, veio a notificação do desaparecimento da aeronave PP-WRS às 4h15. Desde então, a equipe de busca começou a realizar uma varredura pelo local onde mostrava a última localização.

O Grupamento de Bombeiros Marítimo de Ubatuba também atendeu à ocorrência e encaminhou uma embarcação com para realizar as buscas. Além do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro que também foi chamado para prestar apoio.