Mãe de Eliza Samudio entra na justiça para impedir série sobre caso: “Ninguém pensa no filho dela”

Sônia Moura teme que o neto sofra bullying na escola

Ela considerou a atitude falta de humanidade (Foto: reprodução/Alex de Jesus/O Tempo)

Recentemente, foi divulgado que o crime que aconteceu em 2010, em que o goleiro Bruno matou a própria esposa, Eliza Samudio será transformado em uma série pela rede Globo. O projeto será baseado no livro “Indefensável. O goleiro Bruno e a história de morte de Eliza Samudio”, escrito por Leslie Leitão,  Paula Sarapu e Paulo Carvalho.

-Publicidade-

A notícia repercutiu pelo Brasil todo e Sônia Moura, mãe da vítima, resolveu dar a sua opinião sobre o caso. Em entrevista à jornalista Márcia Goldschmidt, ela criticou a atitude e afirmou: “Não autorizo. Ninguém tá pensando no filho dela que vai completar 10 anos. Vai ter a transição pra adolescência, que não é uma coisa fácil”.

A série ainda não tem previsão de estreia (Foto: reprodução/Istoé)

O neto, Bruninho é filho de Eliza com o goleiro, mas segundo a avó não é apenas ele que pode ser afetado. Ela também teme pela filha de Bruno com a atual mulher, que está com dois anos de idade. “Independente de ter retorno financeiro, ou não, a resposta é não. Tem, agora, não é só o meu neto, não é só uma criança, são duas crianças envolvidas, que podem vir a sofrer bullying, ter o desenvolvimento psicológico comprometido”, completou.

-Publicidade-

Indignada, Sônia questionou: “Ele não sabe como era o cheiro da mãe dele, a voz da mãe dele, ele teve muito pouco tempo de vida com a mãe dele. Aí vem a Globo fazer essa minissérie?”. Ela considerou a atitude falta de humanidade.

Bruno foi condenado a 20 anos e nove meses de prisão em 2013, mas desde junho de 2019 cumpre a pena em regime semiaberto domiciliar. A série que trará Vanessa Giácomo interpretando Eliza terá direção de Amora Mautner e ainda não tem previsão para estrear, mas se depender de Sônia não chegará às TVs.

Leia também:

Filho do goleiro Bruno confessa que quer mudar de nome: “Tenho medo dele”

Justiça determina: pais que não vacinarem os filhos podem até perder a guarda da criança

Pais processam escola após filha chegar em casa com dúvidas sobre ser uma menina ou não

-Publicidade-