Mãe de Ester lamenta a morte da filha em briga de vizinhos: “Não teve nem piedade”

A menina de 4 anos foi atingida com um tiro no peito em meio a uma discussão por vaga de garagem, em Santo André, em São Paulo. Brenda diz que Bruno agiu covardemente por ter atirado na criança

Resumo da Notícia

  • Em briga de vizinhos, Ester foi atingida com um tiro no peito
  • A briga por vaga de garagem é antiga, ela acontece desde 2018
  • A mãe da menina lamentou a morte da filha e disse que Bruno agiu covardemente

Em uma briga por vaga de garagem, a menina Ester foi morta com um tiro no peito, aos 4 anos de idade, em Santo André, no domingo, 11 de julho. O assassino Bruno Freitas fugiu logo após o ocorrido. A família está desolada com a situação, e Brenda Oliveira Plácido lamentou a morte da filha.

-Publicidade-

O  atirador é Bruno Freitas, de 27 anos.  Ele é vizinho da família e tem antecedentes criminais por roubo, receptação e violência doméstica. A polícia fez buscas no litoral de São Paulo para tentar localizá-lo, mas ele segue foragido.

Após a briga, Bruno fugiu e segue sendo procurado pela polícia (Foto: Reprodução/ G1 / TV Globo)

Segundo relatos da família, Ester chegava de carro com o pai, a mãe, e mais três crianças quando foram abordados pelo vizinho que disparou contra eles. A motivação do crime seria uma antiga briga por vaga de garagem que acontecia entre os vizinhos desde 2018. Eles todos moravam em uma viela e precisavam revezar uma única vaga de garagem. As discussões começaram por demora para liberar essa vaga. Em uma dessas brigas, Bruno foi esfaqueado, e o conflito foi parar na delegacia. A partir disso,  Bruno  tem ameaçando a família.

Mãe de Ester lamenta morte da filha (Foto: Reprodução/ G1/ TV Globo)

Em entrevista ao portal Veja, Brenda lamentou a morte da filha e disse que Bruno não teve piedade em atirar em uma criança: “Matou a minha filha covardemente, uma criança de 4 anos. Não teve nem piedade, nem quis saber se tinha mais ou não criança dentro do carro. Simplesmente atirou, querendo briga com meu marido e acabou matando a minha filha, minha princesa, meu tudo. Ele acabou comigo”.

O O corpo da criança foi velado na segunda-feira, 12 de julho, e enterrado no Cemitério Curuçá, em Santo André, em São Paulo. O caso segue sendo investigado pelo 5ºDP de Santo André.