Mãe de Henry diz que o menino queria que ela “fosse pro céu para ele ir morar com os avós”

A Polícia Civil do Rio de Janeiro encontrou troca de mensagens da mulher com uma prima que é pediatra sobre a mudança de comportamento do filho ao começar a conviver com Dr. Jairinho

Resumo da Notícia

  • A Polícia encontrou troca de mensagens da mãe de Henry Borel com uma prima que é pediatra
  • Monique Medeiros disse que o menino de 4 anos sentia, quando via o Dr. Jairinho, chegava a “vomitar e tremer”
  • Monique também pergunta para a pediatra sobre as as consultas com uma psicóloga

A Polícia Civil do Rio de Janeiro encontrou troca de mensagens da mãe de Henry Borel com uma prima que é pediatra. Monique Medeiros disse que o menino de 4 anos sentia “medo excessivo de tudo” e, quando via o Dr. Jairinho, chegava a “vomitar e tremer”.

-Publicidade-

A troca de mensagens com a pediatra, obtida pelo jornal Extra, aconteceu seis dias depois de Monique ser informada pela babá Thayná de Oliveira Ferreira de que Henry levava rasteiras e chutes do padrasto.

“Henry está com medo excessivo de tudo, tem um medo intenso de perder os avós, está tendo um sofrimento significativo e prejuízos importantes nas relações sociais, influenciando no rendimento escolar e na dinâmica familiar. Disse até que queria que eu fosse pro céu pra morar com meus pais, em Bangu”, contou Monique à prima em trecho da conversa.

Henry Borel vomitava e tremia ao ver Dr. Jairinho (Foto: Reprodução / Vídeo R7)

Na conversa, a mulher conta que quando Henry vê o Jairinho, ele “diz que está com sono, que quer dormir e não olha para ele”. “Nunca dormiu sozinho, mas antes ficava no quarto esperando irmos ao banheiro ou levar um lanche, agora se recusa a ficar sozinho, não tem apetite, está sempre prostrado, olhando para baixo, noites inquietas com muitos pesadelos e acordando o tempo inteiro. Chora o dia todo”.

Monique também pergunta para a pediatra sobre as as consultas com uma psicóloga. “Fizemos duas sessões, uma por semana. Você acha que preciso procurar um neuro, psiquiatra, fazer mais sessões por semana? Tem sido muito sofrido para todos nós”.

Na sequência, a médica responde: “Acho que agora no início poderia ser duas vezes por semana. Neuro e psiquiatra, não. Infelizmente isso é comum”. Em depoimento, a psicóloga que atendeu Henry disse que foi procurada por Monique pela recusa de Henry em ficar com ela e o padrasto.

Entenda o caso Henry

Henry Borel, segundo o G1, não resistiu na madrugada da segunda-feira, 8 de março, na Barra de Tijuca, Zona Oeste do Rio. No dia, o menino estava na casa da mãe, Monique Medeiros da Costa Almeida, e do padrasto, o vereador Jairo Souza Santos, o Dr. Jairinho (Solidariedade).

No laudo médico é relatado que a criança já deu entrada no hospital sem vida, sendo a causa uma hemorragia interna e laceração hepática causada por uma ação contundente. A criança apresentava:

  • Múltiplos hematomas no abdômen e nos membros superiores;
  • Infiltração hemorrágica na região frontal do crânio, na região parietal direita e occipital, ou seja, na parte da frente, lateral posterior da cabeça;
  • Edemas no encéfalo;
  • Grande quantidade de sangue no abdômen;
  • Contusão no rim à direita;
  • Trauma com contusão pulmonar;
  • Laceração hepática (no fígado);
  • Hemorragia retroperitoneal.

O pai, no depoimento, contou que recebeu uma ligação de Monique às 4h30 pedindo que ele fosse até o Hospital Barra D’Or, porque o filho não estava respirando. Ela contou a Leniel que fez respiração boca-a-boca em uma tentativa de reanimar a criança.

As médicas que atenderam o menino no hospital também foram ouvidas pela polícia e as três pediatras garantiram que Henry chegou sem vida ao local. A mãe, Monique Medeiros, e o padrasto, vereador Doutor Jairinho, também realizaram os depoimentos e houve divergências entre eles.