Mãe de menina de 4 anos abandonada em ônibus escolar relata negligência: “É desesperador”

O caso aconteceu em Pedrinhas Paulista, interior de São Paulo, uma criança de 4 anos foi deixada por quase 6 horas dentro de um ônibus escolar. A prefeitura do município abriu uma investigação para apurar melhor a conduta do motorista e da monitora do veículo

Resumo da Notícia

  • Uma criança de 4 anos foi deixada dentro de um ônibus escolar
  • A mãe contou em relato que o motorista e a monitora esqueceram a menina dentro do veículo
  • Ela ficou no ônibus escolar por cerca de 6 horas

Conforme apuração jornalística do g1, uma criança de apenas quatro anos foi esquecida dentro de um ônibus escolar por cerca de 6 horas. A situação ocorreu em 22 de junho, no município de Pedrinhas Paulista, estado de São Paulo. Ao jornal, a Tatiane Neves Santana, mãe da vítima, relatou que vivenciou momentos de tensão ao descobrir o que aconteceu com a própria filha.

-Publicidade-

O ônibus em questão levava cerca de 12 crianças às escolas e creches da cidade. O veículo saiu da casa de Tatiane às 6h30, como pontualmente realizava todos os dias. “Ele sempre passa às 6h30 para levá-la à creche e retorna às 15h. Ela saiu sentadinha no quarto banco do ônibus”, conta a mãe.

A filha, Ana Júlia, chegou de volta em casa no horário previsto, porém, a Tatiane ficou desconfiada, pois a criança veio acompanhada de duas funcionárias da Secretaria da Educação, e não do ônibus escolar. “Elas vieram conversar comigo e alegaram que ela podia ter dormido e que ficou alguns minutos no ônibus sozinha. Falaram que ela estava bem, hidratada. Ninguém me contou nada sobre ter sido deixada sozinha por horas”, relembrou Tatiane ao jornal.

Criança é esquecida em ônibus escolar
Criança é esquecida em ônibus escolar (Foto: Reprodução / Tatiane Neves Santana)
De acordo com a mãe de Ana Júlia, o motorista e a monitora do veículo não tinham percebido que a menina não desceu do ônibus e acabou permanecendo no meio de transporte, que foi levado à garagem. Apenas de noite que a criança relatou aos pais que não foi à escola no dia, pois ficou trancada no veículo, em um dia de sol, passando fome e sede.

“Ela só contou sobre a situação quando o pai chegou em casa. Disse que ficou no ônibus sozinha sem comer nada e com vontade de fazer xixi. Eu sei que ela é quietinha e não dá trabalho para ninguém, mas nada justifica o esquecimento (…) É desesperador. A minha filha tem quatro anos, mas eles pegam também crianças de um ano. Deus nos livre, mas imagina se é uma criança mais nova? Eu espero que isso nunca mais aconteça”, finalizou Tatiane.

Ao g1, a Prefeitura de Pedrinhas Paulista informou que abriu uma sindicância para investigar a conduta do motorista e da monitora. O prazo é de 120 dia, o máximo. Após esse período, os funcionários podem ser exonerados. Por fim, administração do município disse que a família tem recebido todo o apoio necessário.

Entenda o caso

No interior de São Paulo, na última quinta-feira, dia 22 de junho, uma criança de 4 anos foi esquecida por 6 horas dentro de um ônibus escolar. A prefeitura da cidade Pedrinhas Paulista abriu uma sindicância para apurar o caso.

De acordo com relato da mãe da menina, o ônibus passou na residência da família por volta das 6h30 para pegar a criança. No entanto, quando os alunos foram deixados na escola, o motorista e a monitora não perceberam que a menina não desceu do veículo, e ela acabou sendo levada para a garagem.

Criança de 4 anos é esquecida em van escolar
Criança de 4 anos é esquecida em van escolar (Foto: Getty Images)

Ainda segundo a mãe, Tatiane Neves Santana, que registrou um boletim de ocorrência, a criança ficou dentro do ônibus fechado, em um dia de sol, passando fome e sede. Ela também informou que o Conselho Tutelar não chegou a ser acionado. Tatiane disse que só ficou ciente do que aconteceu quando a filha foi retirada do ônibus por volta das 12h, que foi o momento em que o motorista voltou à garagem para pegar o veículo e buscar as crianças na escola.

Conforme com a prefeitura da cidade, foi aberta uma sindicância para apurar a conduta do motorista e da monitora. O prazo para apuração é de 120 dias e após esse tempo, os servidores podem ser exonerados. Ainda segundo a prefeitura, a família tem recebido todo o apoio.