Mãe de menina morta por carro alegórico se defende de críticas na internet: “Não foi minha culpa”

Raquel Antunes da Silva teve a perna prensada por um carro alegórico no dia 20, mas não resistiu, a mãe precisou se manifestar nas redes sociais após fortes críticas sobre a morte da menina ser culpa dela

Resumo da Notícia

  • Raquel da Silva teve a perna prensada em um carro alegórico no dia 20
  • A menina infelizmente não resistiu ao ferimento e morreu no hospital
  • A mãe de Raquel precisou se manifestar nas redes sociais para se defender sobre a morte da menina ser culpa dela

Raquel Antunes da Silva teve a perna prensada por um carro alegórico no dia 20, mas não resistiu, a mãe precisou se manifestar nas redes sociais após fortes críticas sobre a morte da menina ser culpa dela. No instagram de Raquel, a mãe, Marcela Portelinha, escreveu como se fosse a filha.

-Publicidade-

“Oi, eu sou uma anjinha, não posso responder por mim, então é minha mãe que está falando com todos vocês. Sou eu, Raquel. Vim dizer que amo todos vocês e estou vendo o sofrimento de vocês por mim. Todos que estão criticando a minha mãe, Marcela, a culpa não é dela. Subi por conta própria. Não tenho muito tempo para falar. Mãe, eu te amo. Seja forte e corajosa. Não temas e não desanime. Sou teu Deus”, dizia o texto publicado no Instagram de Raquel.

Raquel Antunes da Silva foi imprensada por carro alegórico no Rio
Raquel Antunes da Silva foi imprensada por carro alegórico no Rio (Foto: Reprodução/ Globo)

Marcela prestou depoimento no dia 25 de abril na 6ª DP (Cidade Nova), que investiga o caso. Ela chegou à delegacia chorando, pouco depois de 13h, amparada por outras três mulheres, e deixou o local por volta de 15h40, por uma porta lateral e sem falar com jornalistas.

As investigações ainda estão em andamento. A Polícia Civil investiga o fato como homicídio culposo, quando não há intenção de matar. A delegada Maria Aparecida Mallet, titular da 6ª DP, disse que vai comparar as imagens de um vídeo que flagrou o momento do acidente com os depoimentos de um motorista da alegoria e de uma guia do carro, que manobrava na Rua Frei Caneca, na área externa do setor de dispersão.