Mãe de Moïse, jovem congolês que foi morto em quiosque no Rio, irá depor na delegacia

Moïse Kabagambe foi espancado até a morte após cobrar o salário atrasado para o chefe

Resumo da Notícia

  • Moïse Kabagambe foi morto após cobrar pagamento atrasado ao chefe
  • O jovem foi espancado até a morte na semana passada
  • A mãe de Moïse irá depor na delegacia hoje

Moïse Kabagambe, 24, foi morto espancado após ir cobrar o salário atrasado que o chefe devia. O jovem trabalhava por diárias em um quiosque na Barra da Tijuca, na Zona Oeste da cidade. Seu corpo foi achado amarrado em uma escada, o chefe devia à ele dois dias de pagamento atrasado.

-Publicidade-

A mãe de Moïse, Ivana Lay, irá prestar depoimento na Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro. Ela chegou acompanhada dos irmãos de Moïse – que também vão depor -, e do procurador da comissão de direitos Humanos da OAB-RJ, Rodrigo Mondego.

“A gente sabe que quem está dando paulada em alguém que está desacordado não está revidando uma injusta agressão nem está tentando garantir uma legítima defesa. É nítido que houve sim uma intenção de matar. É fato que houve um dolo”, disse o advogado ao G1. Mondego comentou ainda que há uma tentativa de “desqualificar Moïse”

Moïse foi espancado no quiosque em que trabalhava
Moïse foi espancado no quiosque em que trabalhava (Foto: Reprodução/G1)

“Existe uma tentativa de transformar ele na pessoa que gerou o resultado da própria morte. Falar que ele estaria alcoolizado, que estaria alterado”, pontuou. Ele contou ainda um pouco das condições de vida de Moïse, que fazia bicos no quiosque Tropicália e para outros bares próximos, e que ele dormia no trabalho para economizar.

Mondego contou ainda que a defesa e a família só tiveram acesso ao vídeo que mostra a morte do congolês pela imprensa, que o vídeo está picotado, e que vão pedir acesso ao conteúdo do inquérito. Os suspeitos da morte do jovem já estão presos e devem responder por homicídio duplamente qualificado — por impossibilidade de defesa da vítima e meio cruel. O processo corre em sigilo.