Mãe desabafa após filho enfrentar caminhada de 1 hora para ir à escola: “É apenas absurdo”

Tina Matharoo contou ao portal The Sun que o filho, de apenas 10 anos de idade, está tendo que ir a pé para a escola depois que o transporte público o cortou da lista de alunos beneficiados – sem motivo algum

Resumo da Notícia

  • Tina Matharoo contou ao portal The Sun que o filho, de apenas 10 anos de idade, está tendo que ir a pé para a escola
  • Isso aconteceu depois que o transporte público o cortou da lista de alunos beneficiados
  • Ela fez um desabafo sincero sobre toda a situação

Tina Matharoo contou ao portal The Sun que o filho, de apenas 10 anos de idade, está tendo que ir a pé para a escola depois que o transporte escolar o cortou da lista de alunos beneficiados. Sobre isso, a mãe fez um desabafo sincero.

-Publicidade-

Tina é mãe de Riley, e contou que tudo começou depois que a escola dele – sem motivo aparente – o cortou da lista de crianças beneficiadas com o transporte escolar gratuito. Por causa disso, o menino precisa enfrentar caminhadas de uma hora de casa até a escola – em estradas não muito amigáveis.

“É uma estrada nacional com limite de velocidade, sem caminhos, sem luzes de rua. Fica a uma hora de caminhada”, contou, inicialmente. “Ele teria que fazer isso sozinho porque temos que levar nossa filha à escola”.

Riley possui 10 anos e precisa fazer uma hora de caminhada para chegar a escola
Riley possui 10 anos e precisa fazer uma hora de caminhada para chegar a escola (Foto: Reprodução/ The Sun)

A mãe ainda explicou que um táxi chegou a aparecer por um curto período de tempo para buscar Riley em casa, mas este benefício também foi cortado. Agora, a escola está oferecendo uma passagem de trem para que o menino se transporte – custeada pela própria instituição. Mesmo assim, Tina se sente insegura.

“Agradeço que eles [o conselho] tenham um ponto de corte, mas precisam levar em consideração as circunstâncias individuais”, falou. Ela ainda disse que tem medo que o filho ande de trem sozinho sendo tão novo. Por isso, ainda declara:

“Riley já perdeu aulas o suficiente por causa de Covid de qualquer maneira e ele precisa de uma rotina, ele luta do contrário. Eu não quero que sua educação continue sendo interrompida. Temos tido sorte, pois outro pai o está levando para a escola, mas eles estão se mudando no Ano Novo. Então o que faremos?”.

Uma carta enviada pela Equipe de Assistência em Viagem do Conselho do Condado de Surrey (SCC) disse que sua recusa em continuar o serviço de táxi foi porque “o conselho precisará estar satisfeito que os pais demonstraram por que eles, por motivos sociais, médicos, financeiros ou pessoais, não pode assumir este dever “.

Diante da situação, Tina ainda finaliza, “Parece que eles estão priorizando o dinheiro em vez da segurança, mas se eles estão dispostos a pagar por uma passagem de trem, não pode ser apenas por dinheiro, só acho que é um absurdo”.