Mãe é barrada de entrar com filho em um estabelecimento em SP: “Não aceitamos crianças”

O Bar Miúda impediu a entrada de uma mãe solo, com o filho de 5 anos, no estabelecimento. A mãe teve que esperar os amigos no meio-fio da calçada, pois foi barrada de entrar no local com a criança

Resumo da Notícia

  • O Bar Miúda impediu uma mãe solo de entrar no estabelecimento
  • Era de tarde e a fotógrafa estava na expectativa de comemorar o aniversário de uma amiga
  • O estabelecimento de pronunciou nas redes sociais

A Marcelle Cerutti (34), mãe solo de uma criança de 5 anos, recebeu o convite para comemorar o aniversário de uma amiga em um estabelecimento na capital paulista. Ao chegar no Bar Miúda, no bairro de Santa Cecília, em São Paulo, no último domingo, 3 de abril – ela foi proibida de entrar no local com o filho. Segundo justificativas de profissionais do local, o ambiente não “aceita crianças”.

-Publicidade-

“Desculpa, senhora, mas aqui a gente não aceita crianças”, ouviu na entrada do local. Em contrapartida, a fotógrafa e mãe solo decidiu usar as redes sociais para desabafar sobre o caso. “17h. Cheguei no bar mais descolado de Santa Cecília para o aniversário de uma amiga e não pude entrar porque estava com meu filho. Aparentemente o bar que aceita todo mundo, não aceita mães solo com seus filhos. Não era balada, não era noite, era um espaço aberto e eu só ia ficar por pouco”, desabafou Marcelle no Instagram.

Em entrevista ao Universa, ela contou que depois de ser proibida de entrar com o filho, ela solicitou dar uma rápida entrada, apenas para falar com a amiga aniversariante – no entanto, foi banida novamente e teve que esperar sentada no meio-fio da calçada. Para então, sua amiga se direcionar até à rua e dar um “oi”. “Fiquei sem reação. A única coisa que disse foi: ‘mas como assim?’. Não consegui responder. Jamais esperava que um lugar que aceita pets, bicicletas e tem como princípio a diversidade, fosse discriminar uma mãe solo (…) Ali me dei conta de que o lugar que se vendia como um espaço para todes era, na verdade, supersegregador”, contou.

A Marcelle recebeu o apoio de outras mães na redes sociais (Foto: Reprodução/Instagram/@marcellecerutti)

O Miúda é popularmente conhecido pelos paulistanos por se um bar inclusivo e descolado de São Paulo. Com um estabelecimento que possui cadeiras de praia e luzes neon espalhadas, a fim de deixar o ambiente mais descontraído. No entanto, a Marcelle não se sentiu bem-recepcionada ao querer frequentar o ambiente com o seu filho de 5 anos.

“Eu só consegui me dar conta da violência que tinha sofrido quando entrei no carro e pude chorar à vontade. A cena do meu filho segurando a minha mão, com olho lacrimejando, na porta do Miúda, não foi fácil de elaborar”, finalizou.

No Instagram oficial do Miúda Bar, a equipe emitiu um comunicado à imprensa. “Em dezembro buscamos assessoria jurídica para nos dar base para algumas questões, entre elas a entrada de menores de idade. Mostramos a ela todo o espaço e funcionamento e concluímos justo que nosso bar não é um lugar propício para crianças. Considerando que dispões o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) e as leis pertinentes, a decisão parte principalmente da preocupação com a estrutura e programação que temos”, disse o comunicado.

Porém, os seguidores se manifestam contra o posicionamento do bar da Santa Cecília. “Então o bar que está com mais lucros devido o aumento de público e tem um ótimo espaço aberto, não tem como pensar em maneiras de incluir essas crianças?”, disse uma seguidora da página. “Princípio de convivência familiar e comunitária, que temos como política nacional e como uma parte importante do ECA passou longe dessa assessoria, né?”, publicou outra manifestante do caso.