Mãe com Covid-19 dá à luz trigêmeos, mas precisa de cuidados após o parto

Após parir Manoela, Alice e Théo no dia 24 de fevereiro, Carolina Gotardo precisou de cuidados por conta do novo coronavírus

Resumo da Notícia

  • Carolina Gotardo, de 39 anos, deu à luz Manoela, Alice e Théo no dia 24 de fevereiro em Santa Catarina
  • Um dia depois, com piora no pulmão causada pela Covid-19, precisou de cuidados especiais
  • Ela e os bebês, que não foram diagnosticados com coronavírus, seguem internados e em recuperação

Carolina Gotardo, de 39 anos, deu à luz Manoela, Alice e Théo no dia 24 de fevereiro em Santa Catarina. Um dia depois, com piora no pulmão causada pela Covid-19, precisou de cuidados especiais. Segundo o G1, ela e os bebês, que não foram diagnosticados com coronavírus, seguem internados e em recuperação. O pai, Irno Gotardo, de 43 anos, conseguiu ver pessoalmente os trigêmeos pela primeira vez na segunda-feira, 1 de março.

-Publicidade-

“Eu estava muito apreensivo, foi uma sensação maravilhosa vê-los. Até porque não é todo dia que a gente é pai de trigêmeos. Eles estão bem e aceitando bem a dieta. Enquanto a gente não enxerga [os filhos] , fica imaginando mil coisas. Valeu a pena, foi sensacional”, disse o pai dos trigêmeos.

Antes, ele estava sendo atualizado da situação dos trigêmeos por videochamada, enquanto cuidava dos outros três filhos do casal. A família resolveu se organizar para ajudá-lo, ele é vendedor e está afastado do trabalho há três semanas, explica a irmã de Carolina e cunhada de Irno, Fernanda Grimaldi.

-Publicidade-
Um dia após dar à luz trigêmeos a mãe foi intubada (Foto: Reprodução/ G1)

“Montamos um flyer para arrecadar dinheiro para ajudar o Irno. Ele é vendedor autônomo, está nesta correria de hospital e não consegue trabalhar. É gasolina, alimentação, as contas de casa. O objetivo é ajudar ele enquanto está nesta função”, disse Fernanda. Neste primeiro contato, Irno não pôde tirar fotos dos filhos caçulas. Segundo ele, a família continua apreensiva, mesmo com a melhora no quadro da mãe e dos recém-nascidos.

“A Carol ainda continua intubada, os resultados deram um pouco mais positivo. O pulmão está reagindo, mas os rins não estão correspondendo, pode ter a possibilidade dela fazer hemodiálise. Mas já teve esse sinal de melhora em relação aos pulmões. Estamos na expectativa que o quanto antes ela tenha bons resultados, volte para casa e traga os nosso pequenos”, concluiu o marido.