Mãe é proibida de fazer prova com o filho em Manaus e desabafa

A criança tem quatro anos e já tinha frequentado a Universidade antes

Para Fabíola realizar a prova, o pai teve que ir ficar com a criança

Fabíola Conceição é mãe de um menino de quatro anos. Aluna de uma universidade particular de Manaus, foi proibida de fazer uma prova porque estava com seu filho. A situação aconteceu na manhã da última quinta-feira, 12 de dezembro. Ela e o marido tiveram problemas com a babá e a mãe foi para a aula com a criança, já que não tinha com quem deixá-lo.

-Publicidade-

Em entrevista ao G1, Fabíola disse que já tinha assistido à aulas com o filho e essa situação constrangedora não havia acontecido. Desta vez, antes mesmo de entrar em sala de aula, funcionários fizeram com que ela fosse até a coordenação, pois afirmavam que não era permitido entrar com crianças no prédio. Porém, não há nenhum aviso que diga isso na entrada ou nos corredores da universidade.

Os pais tiveram problemas com a babá do menino no dia (Foto: Reprodução / Acervo Pessoal / G1)

A situação ficou pior quando disseram à ela que o filho deveria ficar no lado de fora do lugar. Fabíola ligou para o marido, Marcelo Araújo, para que fosse buscar o menino. A mãe e aluna conta que não pôde nem conversar com o professor que aplicaria o exame. O mesmo a viu falando com a coordenadora, mas passou reto.  Os funcionários diziam que estavam assegurados por uma lei que proíbe a entrada de crianças na instituição.

-Publicidade-

O pai ficou com o menino até o fim da prova. Depois, foram até a 24º Companhia Interativa Comunitária (Cicom) e registraram um boletim de ocorrência. O advogado da família disse que não há lei nenhuma que afirme o que a universidade estava dizendo. Fabíola também conta, em entrevista ao G1, que ninguém mostrou ou provou à ela a existência da suposta lei que dava respaldo para a instituição.

A universidade do centro de Manaus ainda não se pronunciou sobre o acontecimento e a Marcelo conta que pensa em abrir um processo contra o local por danos morais, já que a situação foi definida como constrangedora pela família.

Leia também: 

Criança de 9 anos impressiona o mundo ao se formar em Universidade

Pai leva susto ao ver filho dentro da máquina de lavar e final da história faz todo mundo rir

Giselle Itié faz “ultrassom natural”; do primeiro filho e nós te explicamos a técnica