Mãe explica por que tomou a decisão de nunca dar bronca ou gritar com os filhos

Ela criou um grupo com pais que pensam da mesma forma e mostra como faz para educar os filhos

Resumo da Notícia

  • Mãe explica por que tomou a decisão de nunca dar bronca ou gritar com os filhos
  • Ela criou um grupo para pais que pensam da mesma forma
  • Ela explicou a decisão e como faz para criar os filhos

Uma mãe revelou que nunca repreende os filhos ou dá ordens a eles – apesar de às vezes precisar contar 20 histórias para dormir . Adele Clewes-Waddell, uma mãe casada de três filhos de Staffordshire, na Inglaterra, é uma mãe orgulhosa e gentil que faz o possível para nunca gritar com os filhos. Ela disse, aliás, que só se lembra de uma vez que precisou fazer isso.

-Publicidade-

Com 28 anos, ela é uma mãe que fica em casa, se dedicando exclusivamente para cuidar dos filhos, que têm 8, 6 e 1 ano de idade. E, embora ela nunca tenha julgado o estilo parental de outras famílias, Adele acredita que as crianças precisam de empatia em vez de disciplina.

Mãe explica por que tomou a decisão de nunca dar bronca ou gritar com os filhos (Foto: iStock)

“Não há uma linha clara entre como você deve tratar crianças e adultos. Como um adulto, se você está tendo um dia ruim e tudo está te deixando para baixo, você tem permissão para andar por aí. Mas as pessoas pensam que a criança é diferente e têm que seguir as regras 100% do tempo. Isso simplesmente não é realista, porque ninguém é perfeito. Tento ter empatia com meus filhos em vez de jogar contra eles e tratá-los como gostaria de ser tratado. Com o meu filho mais novo também, tenho feito isso desde o nascimento”, contou ela, ao jornal Fabulous, como apontado pelo Mirror.

Ela explica que o cerne dos valores do estilo parental que ela segue vem com a ideia de que um pai ou mãe nunca deve punir os filhos ou obrigá-los a fazer algo que não queiram. Adele explica que isso não se configura em um problema na hora fazer os filhos dormirem, escovarem os dentes ou tomarem banho.

Acho que qualquer pai tem tido dificuldade para fazer seus filhos escovar os dentes de vez em quando – mas minhas filhas sabem da importância da própria higiene. Se estou sugerindo que eles façam algo, direi o motivo e as consequências de suas ações. Se não escovarem os dentes, podem danificá-los. Se eles não tomarem banho, podem ficar malcheirosos.

“Não é algo com que eu luto. Minha filha mais nova é a pior para escovar os dentes, mas ela é apenas uma. Quando ela me vê e vê as irmãs escovando os dentes, ela desiste de ir contra isso, então ela se junta a nós, ao invés de eu ter que persuadi-la”, explicou ela.

Ela conta que já foi muito criticada pelas escolhas (Foto: reprodução Mirror)

“A hora de dormir é bastante simples, apenas digo ‘são 19h30, podemos nos preparar para dormir?’. Então é só ler uma história ou cantar uma música para eles. Se eles ficarem felizes com essa quantidade, paro por aí e digo boa noite. Se não, continuo. Posso ler muitas histórias. Algumas noites, li mais de 20, mas isso não me incomoda. Como mãe deles, é isso que eu quero fazer. Quero que eles se sintam amados e como se eu tivesse tempo para eles. Tudo o que tenho que fazer depois é ir para a cama sozinha”, completou.

Essa ideia de ‘educação gentil’, no entanto, não vem desde sempre. Quando se tornou mãe, Adele não tinha essa ideia da maternidade. “Quando eu tinha meu filho mais velho, o conselho era ‘grite, eles estão apenas sendo travessos, você vai fazer uma vara para as próprias costas’, esse tipo de coisa”, relembrou a mãe.

Mas quando seu filho mais velho tinha oito meses, Adele, então morando na Austrália, conheceu um grupo de pais que lhe mostraram um jeito diferente Voltando para o Reino Unido em 2015, Adele ficou “chocada” por não conseguir encontrar uma comunidade de mães com ideias semelhantes, então decidiu criar um grupo no Facebook para falar sobre o assunto.

“Tento evitar dizer ‘não’ aos meus filhos porque existem diferentes maneiras de fazer isso. Não estou dizendo que nunca disse a palavra, se eles estavam para atravessar a rua, há um senso de urgência. Eu sou apenas humano, acho que até o melhor pai do mundo terá repreendido seu filho em algum momento. Se uma das minhas filhas parecesse que ia correr para a estrada, a minha reação inicial seria ‘ahh não, não faça isso!’. Porque naquele momento não tenho tempo para pensar a minha resposta. Isso aconteceu uma vez, quando a amiga dela estava do outro lado da estrada”, completou ela, sobre o estilo de parentalidade.

Adele, no entanto, sabe que a escolha dela é incomum e já ouviu muitos julgamentos pelas formas na qual educa os filhos, inclusive dos pais e dos amigos. Nessas situações, ela sempre tenta explicar os motivos que a levaram a seguir por esse modelo de parentalidade e afirma que entende as críticas, mas evita criticar outras formas diferentes de ensinar.