Família

Mãe ganha ação judicial contra empresa que a demitiu por estar grávida

A justiça desconsiderou a justificativa para a demissão da britânica

Emily Santos

Emily Santos ,filha de Maria Teresa e Francisco

(Foto: Reprodução/The Sun/SWNS)

Aimee Sanderson, de 33 anos, é uma mãe britânica que abriu um processo contra seu ex-chefe, acusando-o de demiti-la injustamente após saber da gravidez dela.

De acordo com informações do jornal The Sun, Aimee teve que passar por diversas reuniões, alegadamente sobre a baixa em sua performance por 5 meses após revelar a gravidez para o chefe, até que foi demitida.

A mãe levou o caso para o tribunal, que aceitou sua denúncia por considerar que sua demissão foi injusta e que que as situações pelas quais ela passou foram infundadas.

Da reação do chefe ao saber da gestação à uma carta que ele enviou para Aimee após o início do processo, tudo foi considerado indício. Segundo ela, quando o patrão a ouviu contar sobre a gravidez, respondeu um sarcástico: “Bom, isso é uma boa notícia, não?”.

Aimee não soube como reagir a isso. “A reação dele foi inacreditável. Isso me derrubou. Todos no escritório sabiam eu eu havia ido um aborto anteriormente”, revelou.

Já na carta enviada, o homem alegava que a demissão se devia à baixa qualidade do trabalho que Aimee teria entregue aos clientes da empresa, mas o tribunal avaliou os relatórios e desconsiderou esta justificativa.

Por fim, a empresa foi condenada por demissão injusta. Ainda de acordo com o tabloide britânico, uma audição deve acontecer no final de abril para definir quanto a mãe deve receber de indenização.

Leia também:

Mãe solteira é demitida e estamos chocadas com o motivo: “Não posso ter este tipo de gente aqui”

Após ser demitida, ela se reinventou e criou um marketplace de produtos e serviços

Mães ao trabalho: depois de ser demitida, ela se reinventou e voltou realizada ao mercado de trabalho