Mãe passa um mês com a filha natimorta até o funeral para amenizar o luto: “Foi reconfortante”

Amy Dutch, de 25 anos, teve permissão para levar a filha Alicia-Mae para casa enquanto planejava o funeral, depois que a bebê nasceu com apenas 26 semanas de vida, pesando 1,7 kg

Resumo da Notícia

  • Amy Dutch, de 25 anos, sofreu muito com o luto e teve permissão para levar sua filha Alicia-Mae para casa enquanto planejava o funeral
  • A bebê nasceu com apenas 26 semanas de vida, em 18 de abril deste ano, pesando 1,7 kg
  • A mãe tinha um berço refrigerado, que ajudava na preservação do corpo e passou semanas dormindo ao lado da filha, primeiro no hospital e depois na casa de sua família

Cada mãe ou pai lida de forma diferente com o luto da perda de um filho. Amy Dutch, de 25 anos, sofreu muito com essa dor e teve permissão para levar sua filha Alicia-Mae para casa enquanto planejava o funeral, depois que a bebê nasceu com apenas 26 semanas de vida, em 18 de abril deste ano, pesando 1,7 kg.

-Publicidade-

Em entrevista ao The Sun, a mãe contou que tinha um berço refrigerado, que ajudava na preservação do corpo. No tempo em que ficou com a filha, Amy leu histórias para a bebê e cantou músicas como ‘You Are My Sunshine’, que foi tocada no funeral da menina. A mãe, que mora em Londres, na Inglaterra, também conseguiu tirar muitas fotos e, passou semanas dormindo ao lado da filha, primeiro no hospital e depois na casa de sua família.

(Reprodução: The Sun)

O sistema de resfriamento especial do berço permite que pais em luto tenham tempo com bebês natimortos que de outra forma não teriam.  “Durante toda a gravidez, pensava na ideia de ter um moisés na minha cama e, em seguida, acordar com meu bebê chorando chorando. Essa imagem nunca se concretizou, mas o fato de que eu ainda poderia fazer metade dela se tornar realidade realmente aqueceu meu coração, que eu pensei que tinham morrido com a Alicia.

A mãe ainda diz que muitas pessoas podem a julgar e achar estranha a ideia de ficar com um natimorto por dias, mas foi a forma que ela encontrou de lidar com a sua própria dor. “Eu sei que a ideia de alguém ficar em casa com um bebê morto talvez não seja a ideia de que todos tenham para se consolar, mas acho que todos nós lidamos com o luto de forma diferente.”

Amy, que trabalha vendendo itens artesanais online, passou o tempo costurando para Alicia uma fralda e um vestido, que ela conseguiu colocar na filha. “Levá-la para casa me permitiu fazer a troca de roupa e cobertores, ser ativamente mãe. Agora tenho fotos da minha filha no meu quarto e isso me enche de alegria. Havia algo extremamente reconfortante em vê-la em casa. Sua jornada parecia mais completa”.

Amy e o namorado na Turquia (Reprodução: The Sun)

Amy descobriu que estava grávida no final de novembro do ano passado, enquanto vivia na Turquia, trabalhando para uma instituição de caridade animal e vivenco com seu namorado, Emced Rihavi. “Quando o teste deu positivo, eu fiquei muito animada e imediatamente tomei providências para voltar à Inglaterra para o Natal e contar a todos”. Mas devido à pandemia do coronavírus, voo de Amy de volta à Turquia foi cancelado e as viagens aéreas não seriam retomadas até que ela estivesse grávida de seis meses e incapaz de voar. Por isso, Emced e Amy passaram a maior parte da gravidez separados.

“A gravidez foi difícil, mas linda. Fiquei doente o tempo todo, não passava um dia sem vomitar pelo menos uma vez. Eu tinha dor no nervo ciático, alterações de humor e suspeita de pré-eclâmpsia. Nosso bebê cresceu rápido e bem, ela era ativa e quando descobri que ela era uma menina no exame de 20 semanas, fiquei emocionada”.

Mas quando Amy completou 26 semanas de gravidez, ela sentiu que algo estava errado. “Alicia não tinha se movido tanto por algumas horas e eu não conseguia identificar a última vez que me lembrava dela se movendo corretamente. Conversei com amigos e familiares e todos me garantiram que eu estava apenas imaginando coisas. Eu tinha uma consulta com minha obstetra no dia seguinte de qualquer maneira, então decidi esperar até lá.”.

Durante o exame, a médica não encontrou o batimento cardíaco. “Essas palavras nunca a deixam:‘ Não há batimento cardíaco ’. De repente, fui lançada em um mundo que ninguém quer saber que existe”, desabafou. Amy foi levada às pressas ao hospital para um exame de emergência e viu que seu bebê tinha morrido. “Eu ainda teria que vir para a enfermaria de parto no hospital e dar à luz meu bebê como eu faria normalmente, mas com a diferença mais dolorosa: ela não iria chorar, nem abrir os olhos, nem voltar para casa comigo para sempre”.

Após nove horas de trabalho de parto, em 18 de abril, Alicia-Mae nasceu no Kings College Hospital, em Camberwell. “Ela foi colocada em meus braços e o mundo inteiro parou. Eu segurei minha respiração apenas esperando ela chorar, esperando que eles estivessem de alguma forma errados. Ela era linda, cada centímetro dela. Passei quatro dias com ela ao lado da minha cama no hospital. Eu me senti tão apegado a essa linda garotinha que criei, eu só queria mostrar ao mundo. ”

Amy ficou com a filha até o funeral (Reprodução: The Sun)

Depois de sair do hospital, Amy visitou a filha na casa funerária todos os dias, até que mais de uma semana depois ela começou a se sentir mal e ficou presa à cama com gripe e não pôde mais visitá-la. Logo depois, Amy ganhou um berço para que ela pudesse levar o bebê para casa nos últimos 12 dias antes do funeral. O berço foi montado ao lado da cama de Amy, para que ela pudesse dormir ao lado de Alicia como ela tinha feito no hospital. Ela conseguiu fazer uma videochamada para o namorado na Turquia, para que ele pudesse ver sua filha.

“Não há nada que alivia a dor de perder um bebê, mas a dádiva do tempo é algo extremamente importante”. Amy está determinada a garantir que mais mulheres saibam que o berço é uma opção e a garantir que essas instalações estejam disponíveis em todo o país. Ela está em processo de criação de uma instituição de caridade para ajudar a alcançar mulheres como ela. Alicia foi cremada e Amy planeja que suas cinzas sejam adicionadas às suas quando morrer, para que “possam descansar juntas”.

(Reprodução: The Sun)

Um porta-voz do King’s College Hospital, na Inglaterra, disse que os berços foram doados ao hospital por uma instituição de caridade. “Esses berços podem ajudar os pais durante um dos momentos mais difíceis de suas vidas, permitindo-lhes levar o bebê para casa enquanto enfrentam o impacto devastador de natimortos ou aborto espontâneo tardio. Todos os pais sob nossos cuidados que perdem um bebê após 24 semanas têm a oportunidade de levar seu bebê para casa, se assim o desejarem. Permite que as famílias tenham mais tempo com o bebê no conforto de sua casa e criem memórias preciosas longe do ambiente hospitalar. Muitos pais dizem que a experiência os ajuda a aceitar sua perda”, finalizou.