Mãe processa Instagram e Snapchat após a filha de 11 anos cometer suicídio

Tammy Rodriguez iniciou o processo contra as redes sociais por acreditar que o uso excessivo da filha nas plataformas tenha motivado seu suicídio

Resumo da Notícia

  • Uma mãe está processando duas redes sociais por acreditar que o uso excessivo da filha nas plataformas tenha motivado seu suicídio;
  • Tammy Rodrigues contou um episódio marcante que viveu com a filha;
  • A mãe de Selena, que cometeu suicídio aos 11 anos, disse que a filha era muito viciada nas duas redes sociais.

Uma mãe processou as plataformas ‘Instagram’ e ‘Snapchat’ por acreditar que o conteúdo nas redes sociais da filha de 11 anos tenham influenciado a garota a cometer suicídio. De acordo com a mãe, a criança estava excessivamente viciada nas duas redes sociais.

-Publicidade-

Tammy Rodriguez, a mãe da garota, alega que as plataformas motivaram o suicídio da filha, que ocorreu no ano passado. Tammy deu início ao processo contra as empresas responsáveis pelos aplicativos no tribunal federal de São Francisco, nos Estados Unidos.

Selena ficou viciada nas duas redes sociais e, ao notar que o uso excessivo seria prejudicial a filha, a mãe tentou limitar o uso. No entanto, a menina não aceitou a medida e fugiu de casa. No processo judicial, aTammy revelou que o médico psicólogo da garota lhe disse que “nunca tinha visto um paciente tão viciado nas redes sociais como Selena”.

Tammy Rodrigues não conseguiu evitar a ira da filha ao tentar controlar o uso das redes sociais da garota
Tammy Rodrigues não conseguiu evitar a ira da filha ao tentar controlar o uso das redes sociais da garota (Foto: Pexels)

A mãe de Selena está sendo representada pelo Social Media Victims Law Center, uma empresa de advogados especializada nos crimes digitais. “Trabalhamos para responsabilizar legalmente as empresas das redes sociais pelos danos que essas infligem aos utilizadores vulneráveis”, segundo descritivo da corporação.

A todo instante, debates surgem na internet para saber como as redes sociais lidam com os usuários mais vulneráveis. Os críticos apontam que nada é feito no sentido de conter o impacto negativo que as plataformas têm sobre os mais novos.