Mãe que perdeu filha bebê em Petrópolis demorou 9 anos para engravidar: “Só aproveitei 1 ano”

O corpo da menina foi encontrado junto com o da avó e de uma prima, no sofá da casa onde moravam

Resumo da Notícia

  • Mãe que perdeu filha bebê em Petrópolis demorou 9 anos para engravidar
  • Helena faleceu com 1 ano e 11 meses
  • O corpo da menina foi encontrado junto com o da avó e de uma prima, no sofá da casa onde moravam

Helena, de apenas 1 ano e 11 meses, foi uma das vítimas das chuvas de Petrópolis, que destruíram boa parte da cidade na última terça-feira, 13 de fevereiro. Em entrevista ao G1, a mãe dela, Giselli Carvalho, falou sobre a perda e contou que demorou 9 meses para conseguir engravidar.

-Publicidade-

“Às vezes acho que é um pesadelo, que vou acordar e ela vai estar aqui. Demorei nove anos para engravidar, quis fazer as coisas certinhas para ter condições, e só aproveitei a minha filha um ano”, contou ela. A mãe foi de Cascatinha, onde trabalha, até o Morro da Oficina, onde morava com a família e contou que seu único foco era chegar bem em casa. No meio do caminho, ela conseguiu falar com um vizinho que contou sobre o desabamento.

Fortes chuvas alagam Petrópolis, RJ
Fortes chuvas alagam Petrópolis, RJ (Foto: Reprodução / g1)

A casa onde morava com a família veio abaixo. No local, além de Helena, estava a mãe de Giselli, Tânia Leite Carvalho, de 55 anos, que tomava conta da neta, e a sobrinha Maria Eduarda Carminate Carvalho, de 17 anos. Os corpos das três foram encontrados juntos em um sofá da casa.

Mãe que perdeu filha bebê em Petrópolis demorou 9 anos para engravidar
Mãe que perdeu filha bebê em Petrópolis demorou 9 anos para engravidar (Foto: reprodução Instagram)

Famílias pedem doações

Por conta dos temporais, muitas famílias perderam casas e itens pessoais e estão contanto com o apoio da sociedade para se reconstruírem. Para ajudar, ONGs projetos sociais, associações e órgãos públicos têm se movimentado para conseguir itens como alimentos, água e colchões para acolher quem está desabrigado. O lado positivo é que pessoas de todo o Brasil podem contribuir com essas famílias, independente de onde estiverem. Para te ajudar a contribuir com as pessoas que estão na cidade, separamos uma lista de locais que estão aceitando doações e como ajudar, para ver, é só acessar nossa matéria completa sobre o assunto clicando aqui.