Mãe reencontra filho por vídeo chamada após 30 anos de buscas

Giovanni foi adotado por uma família aos 5 anos de idade e cresceu na Itália. Agora, ele pôde finalmente reencontrar a mãe, e descreveu o momento como um “sonho realizado” ao portal Metrópoles

Resumo da Notícia

  • Uma mãe reencontrou o filho por meio de uma videochamada após 30 anos de busca
  • Giovanni foi adotado aos 5 anos de idade e cresceu na Itália
  • Agora, ele finalmente realizou o sonho de conhecer a mãe biológica - em um momento de arrepiar!

Uma mãe finalmente reencontrou o filho biológico em uma vídeo chamada após 30 anos de buscas. Demais! Giovanni, aos 5 anos de idade, foi adotado e cresceu na Itália. Contudo, narrou ao portal Metrópoles que finalmente conhecer a mãe biológica foi um sonho realizado.

-Publicidade-

“No momento em que nos olhamos nos olhos, não houve necessidade de perdão. Realizei um sonho”, conta ela, mesmo sem saber falar português. O encontro online contou com a presença de Carla – amiga do jovem que mora na Itália e fala português; a mãe adotiva de Giovanni, Concetta; e a irmã biológica de Giovanni, Patrícia, que mora em Minas Gerais.

Foi Carla, inclusive, quem ajudou a localizar a família biológica de Giovanni no Brasil. A também brasileira afirma ter tido contato com uma  “hacker do bem”, que revirou as redes sociais em busca de toda e qualquer informação capaz de encontrar Maria Liete Lopes, de 57 anos, mãe de Giovanni.

“Foi Deus quem colocou esse ‘hacker do bem’ no meu caminho. Passei as informações do Giovanni, tudo que tínhamos, e, no dia seguinte, já estávamos no encontro emocionante de mãe e filho, em uma reunião virtual. A mãe adotiva agradeceu à mãe biológica por ter ‘dado’ o Giovanni, como um presente”, desabafa.

Maria Liete admitiu que, no passado, a decisão de entregar Giovanni para a adoção veio da falta de recursos para criá-lo. “Trabalhava em uma casa em Minas Gerais onde a patroa não aceitava o meu filho. Eu não tinha casa, minha filha morava com a minha mãe. Entreguei meu filho para adoção com 5 dias de vida. Dói muito. Quero o perdão dele”, contou ela, que agora mora no Rio de Janeiro.

Giovanni com os pais adotivos
Giovanni com os pais adotivos (Foto: Reprodução/ Arquivo Pessoal/ Metrópoles)

A irmã biológica de Giovanni, Patrícia, também contou que rever o irmão – mesmo que por vídeo – foi de arrepiar. “Meu corpo ficou todo arrepiado. Foi a maior felicidade. Sempre falava com a minha mãe que tínhamos que tentar encontrá-lo. Eu era muita pequena quando ele foi embora, não lembro de nada. Agora só penso em quando vamos poder nos abraçar pessoalmente. Só não tenho coragem de viajar de avião”, brincou. Demais!