Mãe se desespera após dar à luz bebê prematuro com menos de 1kg: “Ela era tão pequena”

Ayla-Grace chegou ao mundo em 29 de abril – mais de três meses e meio prematura, agora a mãe, Jasmine Smith, diz que foi a “coisa mais assustadora do mundo” enquanto ela fala sobre a batalha

Resumo da Notícia

  • Jasmine Smith deu à luz pequena Ayla que nasceu com menos de 1kg
  • A mãe disse que a filha pesava menos que um saco de açúcar e era muito pequena
  • Até hoje Jasmine sente pavor ao contar a história de sobrevivência da filha e dela

Um bebê que nasceu 14 semanas antes e pesava menos que um saco de açúcar finalmente voltou para a família muito feliz. Jasmine Smith, 23, deu à luz Ayla-Grace em 29 de abril com a recém-chegada pesando quase 1kg. A criança ainda tinha três meses e meio pela frente, até a data do parto em 3 de agosto.

-Publicidade-

Mas no check-up de 24 semanas de Jasmine, a mãe Grimsby percebeu que ela havia desenvolvido um inchaço nas pernas, tornozelos e mãos. Disseram que era muito cedo para ter pré-eclâmpsia, uma complicação da gravidez que causa pressão alta e sinais de danos a outro sistema orgânico.

Uma semana depois, ela ligou para a parteira e mencionou o inchaço e foi aconselhada a elevar as pernas por duas horas e meia para ver se isso ajudava. Quando nada mudou, ela foi internada no Hospital Diana, Princesa de Gales, em Grimsby, onde a saúde começou a se deteriorar rapidamente.

A direita Ayla no hospital e a esquerda Jasmine com a filha após ela receber alta
A direita Ayla no hospital e a esquerda Jasmine com a filha após ela receber alta (Foto: Reprodução/Jam Press/Jasmine Smith/The Mirror)

Os médicos logo tomaram a decisão de entregar Ayla-Grace em uma tentativa de salvar as duas. “Meu mundo virou de cabeça para baixo e eu fiquei apavorada”, Jasmine, uma mãe de dois filhos, explicou. “Tudo que me lembro de ter pensado foi ‘Nunca pensei que isso fosse acontecer comigo’. Ninguém quer pensar que isso vai acontecer com eles, mas quando acontece, é a coisa mais assustadora do mundo!

“Eu tinha três médicos em meu quarto às 2 da manhã ouvindo os batimentos cardíacos da minha filha e eles trouxeram um ultrassonografista para ver como ela estava. Meu fígado estava falhando e eu tive um descolamento prematuro da placenta. Minha filha não tinha fluxo sanguíneo. Eles então me disseram que, se não a tirássemos de lá, ela não sobreviveria e nem eu.”

Jasmine teve que se preparar para encontrar a filha semanas antes do planejado. Ela disse: “A ideia de dar à luz mais cedo me apavorou ​​absolutamente por causa das taxas de sobrevivência. Eu sabia que ela seria tão frágil e tão pequena.” Ayla nasceu de uma cesariana de emergência com Jasmine recebendo anestesia geral para o procedimento.

“Não consegui segurar Ayla, só consegui abraçá-la quatro dias depois que ela nasceu – chorei o tempo todo. Foi de partir o coração, eu estava com raiva do mundo. Ela tinha o cordão umbilical enrolado em volta do pescoço quatro vezes, e foi preciso mais de uma pessoa para tirá-lo dela.”

Ayla quando chegou em casa estava bem melhor
Ayla quando chegou em casa estava bem melhor (Foto: Reprodução/Jam Press/Jasmine Smith/The Mirror)

Ayla-Grace foi internada na unidade neonatal da “Royal Infirmary de Hull” por seis semanas antes de ser transferida para o Hospital Geral de Scunthorpe por mais três semanas e, em seguida, voltou para o Hospital Diana, Princesa de Gales. Os médicos descobriram que o bebê tinha um buraco no coração que não havia fechado após o nascimento e eles tentaram, durante duas cirurgias, ao longo de dois dias, fechar o buraco.

Finalmente, a cirurgia de coração aberto foi sugerida em julho. Jasmine disse: “Eu simplesmente desmoronei porque ela era muito pequena.” Depois de passar três semanas em terapia intensiva neonatal após a cirurgia – onde as enfermeiras até desenharam as fotos como lembranças – Ayla-Grace finalmente conseguiu voltar para casa no dia 3 de agosto, data prevista para o parto, e agora está prosperando.

Jasmine disse: “Quase não parecia real quando ela voltou para casa porque passamos os três meses e meio inteiros no hospital. Também foi difícil no início porque eu estava com medo de errar as coisas com os medicamentos de Ayla-Grace.” Incrivelmente, apesar da provação, Ayla-Grace é uma “garotinha feliz” – embora continue tendo uma doença pulmonar crônica e necessita de oxigênio constantemente.

Jasmine foi informada de que a filha nem sempre precisará de oxigênio e poderá ficar sem ele quando fizer um ano. Ela acrescentou: “Sinceramente, não posso agradecer o suficiente às unidades neonatais por fazerem tudo o que podiam por minha filha, especialmente as enfermeiras comunitárias que trabalham tanto para garantir que ela continue bem”.

Jasmine com Ayla no colo logo quando ela nasceu
Jasmine com Ayla no colo logo quando ela nasceu (Foto: Reprodução/Jam Press/Jasmine Smith/The Mirror)