Mãe solo consegue adotar dois irmãos após seguir exemplo dos pais: “É só o começo”

Ela ganhou uma irmã adotiva quando estava na faculdade e, quando ficou mais velha, decidiu que também queria adotar

Resumo da Notícia

  • Mãe solo consegue adotar dois irmãos após seguir exemplo dos pais
  • Ela ganhou uma irmã adotiva quando estava na faculdade e, quando ficou mais velha, decidiu que também queria adotar
  • Depois de um longo tempo de espera, ela conseguiu adotar 2 irmãos com 87 dias de diferença

Quando estava na faculdade, Kaylissa Spurlock ganhou uma irmã adotiva. Os pais dela trabalharam na organização Médico Sem Fronteiras e decidiram se inscrever para não só ajudar as crianças com atendimento médico, mas como adotar aquelas que por algum motivo ficaram sem as famílias. Depois disso, foi questão de tempo para que uma nova integrante chegasse à família. Seguindo o exemplo dos pais e de outros tantos amigos, ela decidiu entrar na fila para adotar uma criança e conseguiu adotar dois bebês com 87 dias de diferença. Em entrevista ao portal Love What Matters, ela compartilhou um relato sobre a adoção.

-Publicidade-

Em 2019, ela encontrou com uma assistente social, que perguntou se ela aceitaria receber um bebê de 2 semanas em casa, chamado Rad, para ser um lar temporário. Kaylissa rapidamente aceitou e tentou aprender com ele como seria ser mãe solteira. Logo ela começou a se apegar e entrou com os papéis para conseguir adotar o garoto.

Mãe solo consegue adotar dois irmãos após seguir exemplo dos pais (Foto: Getty Images)

“Duas outras meninas ficaram consecutivas em nossa casa durante aqueles primeiros meses – elas chegaram com 4 dias e 8 meses de idade. Quando me despedi de minha última filha em uma manhã ensolarada no parque, não conseguia parar de chorar. Fiquei chocado com a profundidade da perda que senti porque estava genuinamente feliz por ele viver com sua irmã mais velha e a avó! Ele também veio a mim com uma doença contagiosa, e a maioria dos dias comigo foram muito difíceis. Eu esperava uma sensação de alívio. Em vez disso, foi uma constatação: eu disse em voz alta: ‘Se ele me deixar, estarei destruído’. Essa era a realidade – ele poderia muito bem estar voltando para os pais. Na verdade, era isso que eu apoiava em meu papel de mãe adotiva. Essas duas verdades opostas são algo que acho que todo pai adotivo sente”, contou ela.

“Eles foram reforçados por vários desses momentos intensos e emocionais ao longo de primeiro ano de vida dela – conhecer os pais biológicos, visitas ao médico cheias de perguntas para as quais eu não tinha respostas, noites sem dormir antes de grandes encontros no tribunal, prendendo a respiração durante as audiências. Com tudo isso, criamos um vínculo incrível. Um vínculo que me fez amar os pais dele porque me ajudou a entender, em algum nível, o amor que eles sentem por ele. Também houve muita alegria! Depois de uma visita ao zoológico, eu estava olhando para as fotos e senti que algo parecia diferente em mim – percebi que parecia genuinamente feliz e completamente perdida no momento. Ou melhor, ‘encontrada’ no momento. Eu me senti exatamente onde deveria estar pela primeira vez, em muito tempo. Uma grande parte disso, é claro, foi encontrar a maternidade – que presente incrível nos foi dado para amar esses minúsculos humanos direto do céu”, continuou ela relembrando.

“Minha assistente social me contatou sobre o irmão mais novo dele, agora conhecido como Rocky, quando ele tinha algumas semanas de idade. Ele estava sob os cuidados de uma família adotiva depois de ter sido entregue no hospital e parecia que seu o seria encaminhado para adoção. Eles não estavam interessados ​​em adotar e, portanto, outras famílias estavam sendo consideradas, pois queriam que ele se vinculasse a uma possível colocação adotiva. As semanas seguintes foram minuciosamente lentas – o sistema de adoção é complexo e mesmo as coisas simples exigem períodos mínimos de espera, várias pessoas assinando, contratos e liberação e muito mais. Mas então, com quase 2 meses, ele estava aqui! Quase todos os aspectos dessa experiência foram diferentes: eu o conhecia e podia me preparar bem com antecedência, nunca conheci os pais dele, ele não recebia visitas e, pelo que se sabia, não havia chance de ele ir a lugar nenhum”, continuou.

“Nosso vínculo não foi forjado através da luta para ficarmos juntos, mas sim lutamos juntos contra o trauma que ele enfrentou. Durante meses, Rocky não quis ser abraçado, o que tornou a formação de uma conexão profunda ainda mais desafiadora. A cada alimentação eu o envolvia, colocava ao meu lado, colocava uma das mãos em seu corpinho e segurava a mamadeira com a outra. Eu imploraria a ele, a Deus, a mim, a seus médicos – e agora? Então trabalhamos nisso – contato visual, abraços, leitura de livros, vozes tolas, risos e ele realmente se animava quando eu cantava (não importa o quão terrível). Estou muito orgulhosa de quão longe ele chegou e de como crescemos juntos! No dia da adoção, 382 dias depois, ele era meu filho por completo”, comemorou a mãe.

Depois de 87 dias, foi a vez de Rad, o menino que já estava com ela há muito mais tempo. “Por mais de um ano, criei irmãos enquanto vivia no limbo, mas o dia da adoção de Rad finalmente chegou alguns meses depois de Rocky. Depois de estarmos juntos por 575 dias. Foi nesse dia que finalmente fui capaz de soltar o fôlego que estava prendendo há muito tempo”, comemorou a mãe. Depois disso, Kaylissa preparou melhor a casa, arrumou o restante dos itens que precisava para conseguir criar os bebês. Quando questionada sobre o futuro da família, se pretende ter mais bebês, a mãe deixou claro: “esse é só o começo”.

11º Seminário Internacional Pais&Filhos – A Sua Realidade

Está chegando! O 11º Seminário Internacional Pais&Filhos vai acontecer no dia 1 de junho, com oito horas seguidas de live, em formato completamente online e grátis. E tem mais: você pode participar dos sorteios e ganhar prêmios incríveis. Para se inscrever para os sorteios, ver a programação completa e assistir ao Seminário no dia, clique aqui!