Mães pediatras dão 5 dicas para você conseguir seguir os conselhos do médico do seu filho

Respire fundo: quando se trata de seus próprios filhos, até os médicos lutam para seguir todas as regras como pais. Pedimos a mais de 100 mães especialistas em pediatria que compartilhassem suas estratégias

Resumo da Notícia

  • Mães pediatras dão dicas para você conseguir seguir os conselhos da Academia de Pediatria Americana na criação do seu filho
  • São 5 dicas que englobam todas as áreas da vida da criança
  • É mais possível do que você imagina, veja os conselhos:
Veja como algumas mães pediatras superam a luta e a fazem tudo funcionar com os filhos (Foto: Getty Images)

Quantos episódios de “My Little Pony” uma criança em idade pré-escolar pode assistir antes de coagular seu cérebro? Qual é o limite seguro para alimentar o seu filho com macarrão de queijo? Nos momentos em que você se pergunta esse tipo de coisas, é um alívio recorrer às diretrizes da Academia Americana de Pediatria (AAP), cujas recomendações apoiadas em pesquisas são realmente as “regras” mais fáceis que os pais precisam para criar os filhos. Mas quase 80% dos pais da AAP admitem ter problemas para seguir pelo menos uma das regras de saúde em casa. Veja como algumas mães pediatras superam a luta e a fazem tudo funcionar.

  • Tempo de tela

As recomendações: crianças menores de 18 meses não devem usar a tela (além da conversa por vídeo); para crianças de 18 a 24 meses, assistam juntos com moderação; para idades de 2 a 5 anos, limite o uso da tela a uma hora por dia de programação de alta qualidade; para maiores de 6 anos, coloque limites consistentes e garanta que a mídia não interfira no sono e na atividade física adequados.

Por que é difícil: as telas estão absolutamente em todo lugar – nos nossos bolsos, nas costas dos assentos dos carros e até nas mesas e paredes dos restaurantes. A imposição de limites ao tempo de tela é, de longe, a regra que os pais pediatras dizem ter mais problemas. Mas as telas também podem ser úteis: “Como mãe que trabalha, eu as uso para fornecer tempo para que eu faça coisas como preparar o jantar ou guardar as roupas”, diz Rhonda Graves Acholonu, vice-presidente de educação do Hospital Infantil da Montefiore, no Bronx, Nova York.

Como usar a regra: estabeleça expectativas simples desde o início – e siga adiante. (A AAP pede aos pais que criem um plano de mídia familiar que estabeleça regras claras sobre quando e onde o tempo da tela acontece. Crie seu próprio em healthychildren.org/mediauseplan). “Não tentamos encontrar substitutos para a TV, mas pensamos de outras coisas que gostamos de fazer”, diz Rupal Gupta, pediatra do Children’s Mercy Kansas City. “Quando estou me preparando de manhã ou fazendo tarefas, meus filhos adoram ouvir podcasts ou audiolivros”. Muitas das mães pediatras também atribuíram Legos, livros e uma estação de artes como grandes atividades de brincadeiras a solo para ocupar seus filhos.

  • Escovação

As recomendações: as crianças devem escovar os dentes duas vezes ao dia com pasta de dente com flúor na quantidade do tamanho de um grão de arroz antes dos 3 anos de idade e do tamanho de uma ervilha depois disso, com supervisão dos pais até os 8 anos de idade. A AAP não tem recomendações de tempo para escovar, mas a Academia Americana de Odontopediatria aconselha que as crianças escovem por dois minutos completos, duas vezes por dia.

Por que é difícil: é fácil pular ou esquecer quando você está pressionado pelo tempo, além disso, muitas crianças realmente odeiam escovar os dentes. “Meu filho costumava morder!”, Diz Silvia Pereira-Smith, pediatra da Universidade Médica da Carolina do Sul, em Charleston. “Levaria mais de cinco minutos para escovar em vez de dois, mas eu me lembrava que o esforço extra valeria a pena”. 21% das crianças com 5 anos ou menos têm pelo menos uma cárie, assim como mais da metade das crianças em idade escolar, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças. A cárie nos dentes de leite pode levar a problemas radiculares à medida que as crianças envelhecem, por isso é tão importante criar o hábito de escovar os dentes, diz Shelly Flais, porta-voz da AAP. “Quanto mais cedo eles começam a fazer isso regularmente, mais isso se torna parte de sua rotina”.

Como usar a regra: “Eu peço para meus filhos rugirem para que eu consiga escovar os dentes deles ou uso uma escova de dentes em um bicho de pelúcia ou até em mim primeiro. Também experimentei um brinquedo de iluminação especial que acende apenas se eles abrirem a boca – porque eu pressiono o botão”, diz Jessica Lazerov, pediatra do Children’s National, em Washington, DC. “As crianças adoram elogios, portanto, se elas abrirem a boca e me deixarem escovar, eu falo para elas o quanto isso foi incrível. – mesmo que fosse apenas por alguns segundos apressados. Mas às vezes você acaba em um impasse. Em vez de forçar seu filho, talvez seja necessário tentar novamente mais tarde. Além disso, mastigar a escova de dentes ainda é melhor do que nada”.

  • Nutrição

As recomendações: a AAP sugere limitar doces e bebidas com açúcar seguindo as recomendações de ingestão diária do USDA para crianças: 1 a 11/2 xícaras de frutas, 1 a 21/2 xícaras de vegetais e 2 a 3 xícaras de leite (queijo, iogurte, leite), dependendo da idade. Embora a AAP não imponha limites específicos ao açúcar, a American Heart Association recomenda que as crianças comam ou bebam menos de 6 colheres de chá (25 gramas) de açúcar adicionado diariamente. Isso não inclui açúcares naturais, como frutose e lactose, em alimentos integrais, como frutas e leite.

Por que é difícil: paladares exigentes, horários ocupados, salgadinhos de comida para bebês, inimigos teimosos de vegetais… poderíamos continuar. “É difícil aumentar a energia e reservar um tempo para preparar e fazer refeições saudáveis ​​quando meus filhos fazem barulho”, admite Brenda Anders Pring, pediatra em Boston. E mesmo quando você planeja e prepara regularmente refeições e lanches saudáveis ​​em casa, nem sempre pode controlar o que seus filhos recebem fora de casa. “Lanches e guloseimas açucaradas se tornaram parte de todas as atividades. Em um único dia, minhas meninas podem ter algo doce na escola, lanches de frutas no ballet e depois cupcakes de aniversário no treino de futebol”, diz Erika Crane, pediatra em Detroit.

Como usar a regra: não force as crianças a limpar o prato ou comer a comida que odeiam. “Tornar o alimento saudável uma punição fará com que seu filho o odeie ainda mais”, diz Shelly. No entanto, uma regra simples de três mordidas ajudou os filhos da Dra. Gupta, com 5 e 8 anos de idade. Como lanche, seus filhos adoram “batata frita e ketchup” – ela corta maçãs em formas de palitos de fósforo, polvilha-as com canela e oferece geléia de morango como um molho parecido com ketchup. Para opções pré-embaladas, muitos médicos recorrem a pretzels, palitos de queijo, bolsas de compota de maçã, bolachas e barras de proteínas.

  • Exercício

As recomendações: jogo ativo diário para crianças em idade pré-escolar e pelo menos 60 minutos de atividade física moderada a vigorosa para crianças de 6 anos ou mais.

Por que é difícil: apenas ¼ das crianças em idade escolar nos EUA recebe a hora de exercício recomendada por dia. O tempo de exibição muitas vezes viola outros tipos de atividade, diz a Dra. Flais, e as crianças não estão recebendo tanto movimento na escola quanto no passado. Apenas 65% dos distritos escolares dos EUA exigem atividades físicas para escolas primárias e até mesmo nos estados onde é exigida por lei, as crianças recebem apenas entre 60 e 100 minutos por semana.

Como usar a regra: esportes coletivos e atividades depois da escola são uma boa maneira de incorporar exercícios à vida diária de seu filho. Um passeio de 20 minutos pelo bairro, uma subida de 30 minutos no parquinho e 10 minutos de algum jogo ativo em casa serve. “Tentamos encontrar pequenas maneiras de incorporar o movimento em família”, diz Jamaiya James, pediatra em Castle Rock, Colorado. “O favorito dos meus filhos é uma festa de dança. Nada os faz rir e se mexer como colocar nossas músicas favoritas e brincar depois do jantar. Tenho certeza de que parecemos ridículos, mas é muito divertido”.

  • Vamos falar sobre o sono 

A AAP diz que os bebês devem ser deitados de costas em uma superfície firme para dormir sem roupa de cama até o primeiro ano de idade. Eles também devem dividir o quarto dos pais (mas não a cama) durante os primeiros seis a 12 meses. Essas diretrizes – a maioria das quais foram introduzidas em 1992 para reduzir o risco de mortes súbitas inesperadas de bebês (SUID), incluindo SMSI, asfixia acidental no leito e outras causas desconhecidas – se mostraram eficazes. Em 1990, a taxa de SUID era de 154 mortes por 100.000 crianças. Em 2016, era de 91 por 100.000.

Dito isto, sabemos que seguir essas diretrizes nem sempre é fácil, principalmente quando seu bebê não para de chorar e você está absolutamente exausta. “Se você mudou, alimentou e embalou seu bebê, mas nada está funcionando, coloque-o de costas, sozinho no berço, e feche as portas. Você não ouvirá os gritos dele, então poderá demorar alguns minutos para se acalmar. Chorar não machuca um bebê, mas uma mãe frustrada talvez”, diz Amanda Montalbano, pediatra do Children’s’s Mercy East, em Independence, Missouri

Enquanto a maioria das mães pediatras em nossa pesquisa seguiu de perto as regras do sono seguro, muitas descobriram que a recomendação de alojamento conjunto afetava sua própria capacidade de adormecer. Além disso, a pesquisa descobriu que os bebês dormem menos à noite e dormem por trechos mais curtos quando estão no quarto dos pais após os 4 meses de idade. O mais importante é que seu bebê não compartilhe sua cama.

Se você tem um filho mais velho que quer se aproximar de você, a Dra. Montalbano sugere esta estratégia para evitar que se torne um hábito: “As crianças são bem-vindas em seu quarto quando estão doentes, assustadas ou querem estar perto, mas não são permitidas na cama. Em vez disso, crie um ninho de travesseiros e cobertores para elas no chão. Elas podem ficar uma ou duas noites, mas acabarão desejando voltar para sua própria cama confortável”.