Manaus deixa de transferir bebês prematuros após chegada de oxigênio na região

A Secretaria de Saúde informou que conseguiu cilindros de oxigênio para manter 61 bebês prematuros por mais 48 horas em leitos de UTI

Resumo da Notícia

  • A Secretaria de Saúde de Manaus informou que conseguiu cilindros de oxigênio
  • Por isso, a transferência de bebês prematuros que começaria na última sexta-feira não ocorreu
  • De acordo com as autoridades, há equipamento para mantê-los por pelo menos 48 horas na UTI

Nesta sexta-feira (15), o Ministério da Saúde divulgou que não irá transferir os bebês prematuros recém-nascidos de Manaus para os outros estados do Brasil. Isso porque a Secretaria de Saúde do local afirmou que conseguiu oxigênio suficiente para mantê-los por mais 48 horas.

-Publicidade-
Os oxigênios que chegaram permitem manter os bebês por mais 48 horas (Foto: Getty Images)

No mesmo dia mais cedo, a própria Secretaria havia solicitado a mudança por conta da falta de cilindros para tratar pacientes infectados pelo coronavírus em Amazonas, capital do estado. A transferência que ocorreria a partir de sexta, até o momento, não precisará ser feita.

Porém, ao fim do dia, a Secretaria de Saúde informou que conseguiu “cilindros de oxigênio para manter 61 bebês prematuros por mais 48 horas em leitos de UTI em Manaus”. Esses equipamentos são fundamentais para administrar o tratamento de pessoas com covid-19 além de outras doenças.

Enxoval do bebê

Está preparando o enxoval ou a lista para o seu chá de bebê? Olha só essa novidade: você pode criar sua lista personalizada com produtos na Amazon, que pode ser compartilhada com amigos e familiares em várias plataformas. Além disso, você também pode ganhar 10% de desconto na compra na maioria dos itens! Saiba mais sobre a ferramenta e veja produtos para o enxoval do bebê CLICANDO AQUI. Para montar a sua lista, acesse AQUI!

A possibilidade de uma transferência futura não foi descartada (Foto: Getty Images)

A instituição também disse que por se tratar de uma “operação de risco”, optou por manter os bebês onde estão. A possibilidade de transferência não foi descartada nos próximos dias. O Ministério afirmou em nota a BBC, que tem disponível 56 leitos em estados ao redor do Brasil, como Bahia, Paraná e Maranhão.

De acordo com o governo, se necessária a mudança de hospital para tratamento em outras regiões, será exigido autorização dos pais e os recém-nascidos serão acompanhados pelas mães.