Meghan Markle fala sobre infância difícil em carta ao Congresso Americano

A esposa do Príncipe Harry citou as dificuldades que passou com os pais para defender a licença paga para trabalhadores dos Estados Unidos em uma carta oficial

Resumo da Notícia

  • Meghan Markle relembrou as dificuldades da infância em carta ao Congresso Americano
  • Nela, a Duquesa de Sussex contou como começou a trabalhar aos 13 anos de idade
  • Meghan defende a licença paga a trabalhadores dos Estados Unidos

Meghan Markle escreveu uma carta oficial ao Congresso Nacional Americano para defender um sistema de licenças pagas a trabalhadores dos Estados Unidos. Em sua argumentação, a duquesa de Sussex aproveitou para relembrar a simples infância ao lado da família e as dificuldades financeiras do período.

-Publicidade-

“Em junho, meu marido e eu recebemos nossa segunda filha. Como muitos pais, ficamos muito felizes. Como muitos pais, ficamos sobrecarregados. Como nem todos os pais, não fomos confrontados pela difícil realidade de ou passar aqueles primeiros meses críticos com o nosso bebê ou ter que voltar a trabalhar”, começou ainda, relembrando o nascimento de Lilibet – filha dela com Príncipe Harry. “Nós sabíamos que podíamos levar ela para casa e naquele momento vital (e sagrado) dedicar tudo a nossos filhos e nossa família”.

Falando de família, Meghan decidiu citar um pouco mais o passado da dela própria. “Eu cresci com o buffet de salada de 5 dólares do Sizzler – talvez custasse até menos naquela época (sendo sincera, eu não me lembro) – mas o que eu posso me lembrar é do sentimento. Eu sabia o quão duro meus pais trabalharam para pagar aquilo porque mesmo que só custasse 5 dólares, comer fora era algo especial e eu me sentia sortuda”.

Meghan e Harry são pais de Lilibet e Archie
Meghan e Harry são pais de Lilibet e Archie (Foto: Getty Images)

E ainda completa, sobre os trabalhos que realizou desde cedo, “Eu comecei a trabalhar (na loja de frozen yogurt do bairro) com 13 anos. Eu atendia mesas, era babá e acumulava trabalhos para tentar fechar as contas. Eu trabalhei a minha vida toda e fui economizando quando e onde conseguia – mas mesmo isso era um luxo – porque normalmente eu tinha que dar um jeito e ter o suficiente para pagar o aluguel e colocar gasolina no meu carro”.

Sobre os direitos dos trabalhadores defendido por Meghan, ela enfim declarou, “As famílias que vocês representam precisam de sua forte liderança. Com a licença paga prestes a se tornar uma realidade nacional, eu acredito que vocês irão seguir o movimento. Eu sei que vocês devem ouvir de seus constituintes sobre as escolhas que estão enfrentando todos os dias para conseguir fechar as contas e cuidar de suas famílias”.

E acrescenta, “A licença paga deveria ser um direito nacional ao invés de uma opção remendada limitada àqueles cujos empregadores têm políticas em suas empresas ou àqueles que moram em algum dos poucos estados em que um programa de licenças existe. Se vamos criar uma nova era de políticas que priorizam a família, vamos garantir que isso inclui um forte programa de licença para todos os americanos seja garantido, acessível e encorajado sem estigmas e penalidades”. Além de Lilibet, Meghan Markle também é mãe de Archie.