Menina com condição especial recebe comentários negativos por causa da aparência: “Olha o estado dessa criança”

Florence Patterson tem um cabelo grosso e espesso e aos 3 anos foi diagnosticada com Síndrome do Cabelo Incompatível. Por causa disso, a mãe da menina contou que ela recebe vários comentários negativos de estranhos

Resumo da Notícia

  • Florence, de 6 anos, sofre de uma síndrome que deixa seus cabelos grossos e espessos
  • Os pais contam que a menina é abordada diversas vezes por estranho de forma cruel
  • Albert Einstein possuía a mesma síndrome

Florence Patterson, de apenas 6 anos de idade, é abordada na rua diversas vezes por conta da aparência do cabelo. Muitas vezes os comentários desagradáveis vem de adultos que dizem “Olha o estado daquela menina” ou passam de boca aberta desacreditados do que acabara de ver.

-Publicidade-

Essa é uma mutação genética que modifica o folículo capilar, que ao invés de ter um formato arredondado tem formato de coração. Albert Einstein também possuía essa síndrome, que deixava os cabelos armados e grossos, se chama Síndrome do Cabelo Incompatível.

Florence recebe comparações com o cabelo do físico Albert Einstein
Florence recebe diversas comparações com o cabelo do físico Albert Einstein (Foto: Reprodução/Mirror)

Sempre que anda na rua Florence precisa lidar com o fato das pessoas quererem tocar no cabelo dela mesmo sem a permissão. Os pais Jill Peddie-Jones, 43, e Kyle Patterson, 49, tiveram que ensinar a pequena a se impor e proibir as pessoas de tocar no cabelo. “Florence sabe que todos a encaram na rua” disse a mãe Jill em uma entrevista ao Mirror.

Mas desde sempre os pais ensinaram a filha a amar o cabelo, e a peculiaridade, eles tiram fotos fofas da menina como por exemplo no primeiro dia de aula, para que ela se sinta confiante. Os pais alegam que eventualmente as pessoas irão associá-la ao cabelo, então acham melhor já ir a acostumando desde pequena a não se importar com olhares e comentários negativos, e sim abraçar quem ela realmente é. Por conta da pandemia eles não puderam sair de casa, então quando tudo voltou ao normal ficaram surpresos de como a menina chama a atenção. Ela é conhecida no bairro pela “criança do cabelo”.

As crianças são mais receptivas que os adultos, na escola por exemplo todos aceitam normalmente e ela possui vários amigos por conta da sua personalidade que brilha, e não existem conflitos nem olhares maldosos.

“Tentar pentear o cabelo dela é impossível” disse o pai, porém Jill e Kyle encontraram uma maneira de cuidar do cabelo. Precisa ser lavado na banheira e não no chuveiro, para não correr o risco de ficar seco e desidratado, depois deve secar levemente com a toalha e colocar bastante condicionador, amasse os fios e abra todos os dreadlocks (partes mais grossas e grudadas), pode levar horas mas o resultado no dia seguinte é de um cabelo ondulado lindo.

Florence foi diagnosticada com 3 anos com Síndrome do Cabelo Incompatível
Florence foi diagnosticada com 3 anos com Síndrome do Cabelo Incompatível (Foto: Reprodução/Mirror)

Os pais dizem que foram aconselhados a não pentear pois pode cair muito cabelo da menina, e isso seria ruim para ela. Por conta da síndrome o cabelo não cresce muito porém é bem grosso, o que esquenta a cabeça às vezes, as unhas crescem bastante também, os pais precisam cortá-las duas vezes na semana pelo menos.

Florence tem o cabelo assim desde que tinha 1 ano, porém apenas quando com 3 anos foi diagnosticada, os pais acharam fofo na época, mas quando estavam vendendo alguns móveis em uma feira, um clínico geral os aconselharam a procurar um médico, pois poderia ser algo sério.

A menina foi diagnosticada com a Síndrome do Cabelo Incompatível, os pais ficaram preocupados que poderia ser algo grave, mas depois de realizar alguns exames foi esclarecido que era algo tranquilo de lidar, e afetava apenas o cabelo e unhas.

Jill e Kyle finalizam a entrevista, incentivando outros pais que acham que os filhos possuem essa síndrome a procurar um médico, e fazer exames para saber realmente se a criança tem ou não. E concluem “É apenas parte da personalidade dela”